Projeto "FORTES" Ventos I




A VIAGEM

Depois de alguns anos lendo vários livros e relatos de motociclistas que se aventuram em longas viagens, nasce a possibilidade de realizar minha primeira grande viagem, que se concretizou no 1º dia do ano de 2009, percorrendo um trajeto de aproximadamente 11.500 Km em 33 dias, envolvendo estradas do Brasil, Uruguai, Argentina e Chile. No roteiro foram incluídas algumas das principais paisagens da Patagônia, sendo que no dia 3 de janeiro de 2009, também assisti a arrancada do Rally Dakar realizado pela primeira vez na América do Sul.

ROTEIRO

Saída de Criciúma/SC em 23/12/2008

Saída oficial de Porto Alegre/RS no dia 01/01/2009

Retorno à Porto Alegre/RS no dia 02/02/2009

Retorno à Criciúma/SC dia 04/02/2009




IMPRENSA



RÁDIO



18/09/08 - Entrevista ao vivo no Programa Adelor Lessa na Rádio Som Maior Premium de Criciúma/SC;

16/12/08 - Entrevista ao vivo no Programa Adelor Lessa na Rádio Som Maior Premium de Criciúma/SC;

De 31/12/08 à 30/01/09 - Boletins por telefone durante a viagem à Patagônia - Rádio Som Maior Premium de Criciúma/SC;

06/02/09 - Entrevista ao vivo no Programa Adelor Lessa na Rádio Som Maior Premium de Criciúma/SC;


TELEVISÃO

01/01/08 - Matéria no Jornal do Almoço da RBS TV de Criciúma/SC (filiada da Rede Globo);


JORNAIS

30/10/08 – Matéria no Jornal Vanguarda de Urussanga/SC

28/12/08 – Matéria no Jornal Diário Catarinense de Florianópolis/SC

30/12/08 – Matéria no Jornal Zero Hora de Porto Alegre/RS
 

31/12/08 – Matéria no Jornal A Tribuna de Criciúma/SC



APOIO MOTOCICLÍSTICO


(Clique nos logos)


Colégio Energia Motocenter Motojop DHC
Cardioexpress Frontside Som Maior Casa das Gaitas
Agropecuária Urussanguense União transportes AVM aventura ESAF
Espaço vida



Relatos de viagem
Projeto Fortes Ventos I




Idealizando

Após comprar a primeira moto em 2004, com o objetivo de economizar  combustível (CG 125 ano 1997), mesmo com sua baixa cilindrada, ensaiei algumas viagens com média de 300 km por dia. Um ano depois comprei outra moto e de maior cilindrada (Tornado 250 ano 2002). Com a Tornado realizei vários passeios e registrei por meio de fotos muitas paisagens e aventuras. A partir dessa época comecei a vislumbrar viagens maiores, iniciando a busca por informações, relatos e histórias de motociclistas mais experientes.

Um dos relatos que me impressionou foi do até então por mim desconhecido, mas hoje um grande amigo, Ricardo Rauen, no qual tive a felicidade de alguns anos depois da leitura de seu relato, entrar em contato por e-mail e ter a impressionante surpresa de saber que ele estava morando em minha cidade. Rauen prontamente me atendeu e marcamos uma conversa na qual, me ajudou muito no roteiro e informações para as minhas futuras viagens.

Também à alguns anos comprei pela internet o livro do Chardô de Porto Alegre/RS. O livro também foi muito bem escrito e me motivou a comprar seu segundo livro sobre sua viagem ao Ushuaia, só que dessa vez fiz o contato para pegar o livro pessoalmente com o autor. Desde então, Chardô tem sido um grande incentivador me auxiliando na definição de roteiros e dicas para minha viagem à Patagônia. Também comprei os livros do Cícero e do Godoy de Florianópolis/SC, pessoas muito receptivas e com uma vontade imensa de ajudar quem busca embasamentos para a realização de grandes viagens.

Nesse período de inspirações, assisti também a um documentário que me deixou muito instigado a buscar meus objetivos. Trata-se de da série "Long Way Round", que em seus episódios conta a história de uma aventura de moto bem interessante. Outro relato muito legal que encontrei na internet, foi do Português Carlos Azevedo, falando sobre o Projeto: "Até ao fim do mundo - Uma viagem de Pólo à Pólo."

Nessas conversas que antecederam a viagem, posso destacar a ajuda do experiente motociclista Nery de Criciúma/SC, contando suas longas viagens de moto e se propondo a emprestar alguns mapas. Outros encontros importantes foram os ensaios para uma possível viagem em dupla com o Eduardo, também de Criciúma/SC, mas que por detalhes acabou não se concretizando. Mesmo assim foram extremamente positivas nossas conversas, nas quais me contou sua incrível história de realizar sua primeira longa viagem estreando também como motociclista depois dos 50 anos de idade. Através de suas sugestões, acabei incluindo no roteiro a tão desejada e temida Carretera Austral no Chile.

Foram várias leituras e conversas que me direcionaram a decisão de realizar minha primeira longa viagem de moto. Sei que estou esquecendo de citar muitas leituras e pessoas, mas gostaria de destacar os bate-papos com o Cléber Bonotto(Urussanga) e o professor Cristiano, que na época era advogado do Colégio Energia e sem querer fazendo um convite de brincadeira para irmos de moto para o Uruguai e Argentina, me fez realmente pensar nessa possibilidade que até então, não passava de um sonho distante.

Do sonho para a realidade, a decisão veio depois de algumas conversas com o Dr. Jeverson e a leitura do relato do motociclista Hugo de Florianópolis, que realizou uma viagem incrível para Patagônia com seu o filho na garupa de uma VMAX.

Grandes incentivadores

Chiquinho filho, Chiquinho pai e Marisa Neri
Fábio Copetti Augusto Jaroszewski
Tautz Family Chardô e Cleber Bonotto
Godoy e Cláudia Ricardo Rauen
Roberto Fleischmann

Divulgando



Não poderia começar esse relato sem destacar o grande apoio que tive da imprensa de Criciúma, Urussanga/SC e Porto Alegre/RS, pois por meio das matérias e entrevistas, consegui viabilizar os patrocínios e também compartilhar toda essa aventura.

 

Planejando



Um dos momentos mais intensos de uma grande viagem é o planejamento, principalmente nos dias que antecedem a saída. Devido aos meus estudos por meio de leituras e encontros com motociclistas, tenho hoje a feliz conclusão de que a minha preparação foi um sucesso, pois foram raríssimas as situações em que durante a viagem, senti falta de algo, ou mesmo tenha percebido que acabei levando algo desnecessário. Inclusive dei muita sorte na compra do primeiro mapa, que mesmo sendo uma aquisição logo no início do projeto e sem maiores pretensões de ser o principal guia da viagem, acabei adquirindo o melhor dos mapas que encontrei.

Antes Algumas horas depois
Cópia dos mapas na parede do quartoOs mecânicos
 

No dia 24/12/08, saio de Criciúma em direção à Canoas/RS para passar as festas de final de ano com minha família e sair oficialmente no dia 01/01/09.

Despedida da minha "família adotiva" em Criciúma/SC

Final de tarde na BR 290 ou Free Way.

Escondido no meio de alguns itens extras para presentear a família nas festas de final de ano.



Visita ao Luís (Magrão), meu Mestre na bateria


Na ultima semana do ano, na qual fiquei em Canoas/RS alguns dias antes da saída oficial, aconteceu o nascimento do Arthur, filho do meu irmão Juliano Forte. O Juliano foi minha base de informações durante a viagem. O combinado era que eu ligasse sempre que possível para passar minha posição atual e em qual direção seguiria, pois optei por não levar telefone, até mesmo por que nos lugares mais desertos, o celular não pegaria mesmo. Caso não ligasse no intervalo de três dias, então eles poderiam começar a fazer contatos para me encontrar.

Churrasco de final de ano e despedida para a viagem (detalhe para a lua).


INÍCIO DA VIAGEM



1º DIA - 01/01/09 (quinta-feira)

De Canoas/RS (Brasil) à Tacuarembó (Uruguai)

Diário 624 km - Geral 624 km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 25,60 - Alimentação US$ 10,50 - Hospedagem US$ 21,00



Iniciei a viagem saindo de Canoas/RS-Brasil perto das 9hs da manhã. Tive a impressão que iria pegar chuva no caminho, mas felizmente não choveu, aliás, durante toda a viagem foram apenas 3 situações com chuva, pois a Argentina estava num período de seca. No caminho encontrei um grande grupo de motociclistas pilotando BMW's e KTM's, indo em direção a Buenos Aires para também assistir a arrancada do Rally Dakar e um casal muito simpático com uma VStrom 1000, que além de relatar um pouco de suas viagens, também mostraram-se muito entusiastas e incentivadores.

 

A conselho de outros motociclistas em seus relatos, resolvi usar o Passaporte em toda a viagem, o que é claro surpreendeu muito o pessoal na fronteira do Uruguai, mas que realmente foi algo que facilitou bastante minhas entradas e saídas nos países que visitei.



Uruguai



Devido a atenção redobrada, não deixei de perceber que em outra língua, algumas placas podem ser bem divertidas para serem registradas e lembradas posteriormente.

Tranqueras Curticeirá(curti bem mais essa!)
 

Li em um relato que seria interessante não almoçar, evitando o sono durante a viagem no período da tarde, procurando então deixar para fazer uma refeição mais reforçada a noite. Durante a viagem percebi que não seria uma idéia tão boa, pois caso acontecesse algum imprevisto durante o dia, não estaria bem alimentado para resolver problemas, ou mesmo ficar sem hospedagem ou refeição, principalmente em lugares de poucos recursos.

Mesmo muito cansado, faço algo que se tornaria rotina durante toda a viagem. Começo a me preocupar em estabelecer uma estratégia de registro dos relatos, custos e km rodados durante a viagem. Nesse primeiro dia, essa seria uma atitude que precisaria ser muito bem pensada para tornar-se padrão de registro no decorrer desse projeto.

Nas fotos acima, um belo monumento e uma moto BMW da época da segunda guerra mundial, estacionada na garagem do hotel em Tacuarembó - Uruguai.


2º DIA - 02/01/09 (sexta-feira)

De Tacuarembó (Uruguai) à Buenos Aires (Argentina)

Diário 524 km - Geral 1198 km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 27,00 - Alimentação US$ 20,80 - Hospedagem US$ 31,60



Começo o dia às 7 horas, mas só consigo sair da cidade perto das 10 horas devido ao boletim ao vivo que deveria realizar para a rádio Som Maior de Criciúma/SC. Já na estrada encontro uma das cenas que hoje tenho como um dos mais lindos registros dessa viagem. Trata-se de extensas plantações de grassóis que para minha felicidade, estão numa época perfeita para encher os olhos de quem passa por esse trecho no Uruguai.

 

Ao chegar a fronteira entre Uruguai e Argentina na cidade de Paynsandú, encontro um grande grupo de motociclistas, em sua maioria de Florianópolis/SC e que também estavam se deslocando para assistir ao Rally Dakar.

 

Após passar a fronteira recebi o convite para entrar com eles em Buenos Aires e também procurar hotel juntos, já que alguns ainda não haviam reservado hospedagem.

Já próximo de Buenos Aires, começamos a perceber a grande aglomeração de pessoas em uma avenida já próxima ao centro da capital e uma multidão empolgada tirando fotos, filmando ou mesmo tentado tocar nos motociclistas que ali passavam. As ruas começaram a ficar mais estreitas devido ao assédio dos argentinos que disputavam espaço tentando registrar a movimentação relacionada ao Rally Dakar, realizado pela primeira vez aqui na América do Sul.

Em uma das sinaleiras dos cruzamentos da Avenida 9 de julho na capital argentina, ouvimos o apito de um policial que entra com seu quadricíclo na frente do comboio de motos brasileiras e com sua sirene abre caminho em meio a multidão. Em meio a aplausos, fotos, filmagens e mãos que tentam um mínimo contato com os motociclistas. A emoção toma conta diante daquele momento de euforia do público e mesmo conduzindo a moto, consigo com uma das mãos puxar a câmera fotográfica e entre uma sinaleira e outra, registro um pouco desse momento, fotografando e filmando alguns segundos.

Após percorremos o trajeto escoltados como celebridades, paramos em uma rótula onde havia um monumento no qual também se encontravam alguns competidores com suas lindas motos. Estávamos tão extasiados com aquela situação que foi difícil entender o que estava acontecendo e o que deveríamos fazer naquele momento. Ainda consegui reagir e registrar mais um pouco e conversar com os outros companheiros sobre a sensação indescritível que sentimos, porém em alguns instantes o mal-entendido esclarecido e o pessoal da organização se flagrou que não fazíamos parte de nenhuma equipe inscrita. Aí notamos que estávamos no monumento Obelisco, bem no centro das atenções do evento, onde os competidores se preparavam para receber as boas vindas no dia de apresentação da 1ª etapa do Rally Dakar na América do Sul.


Novos amigos que me ajudaram muito em Buenos Aires.


Casa Rosada



3º DIA - 03/01/09 (Sábado)

De Buenos Aires (Argentina) à Balneário Cochico em Guamini (Argentina)

Diário km 719 - Geral km 1917

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 25,70 - Alimentação US$ 23,75 - Hospedagem US$ 4,16



Ainda sem o dia amanhecer, conforme combinado com os pessoal do hotel, o telefone toca às 6 horas da manhã. Como a moto ficou em um estacionamento à parte do hotel, tenho que transportar boa parte das bagagens, pois tratava-se de um lugar desconhecido e optei por não arriscar em deixar a moto carregada.

Sigo em qualquer direção procurando um posto para abastecer e no primeiro  que encontro, vejo 3 motos equipadas com muita bagagem. Ao olhar com mais detalhes tenho a feliz surpresa de perceber que as placas eram de São Paulo - Brasil. Entusiasmado não perdi tempo e parti para o primeiro contato, sendo muito bem recepcionado. Depois de uma breve conversa chegamos a conclusão que estávamos com os mesmos objetivos naquele dia. Após confirmarem algumas informações sobre a rota que procuravam, sigo atrás dos motociclistas que naquele momento seriam os meus guias na viagem.

Após alguns km, entramos em uma grande autopista e como um visão que só de lembra ainda sinto a mesma emoção. Começaram a aparecer o comboio de incontáveis motos de competição seguindo no deslocamento para a primeira etapa do Rally Dakar. Naquele momento não conseguia acreditar que depois de tanta ansiedade eu estaria quase que por acaso no meio de todas aquelas belas e coloridas motos, que se misturavam no trânsito da grande Buenos Aires à caminho do primeiro momento oficial do Rally Dakar na América do Sul. Confesso que em muitos momentos me emocionei, tamanha a perplexidade com toda a grandeza daquele evento único e indescritível. Ou seja, mais uma uma vez eu estaria na hora certa e no lugar certo durante essa viagem.

Uma verdadeira miragem naquele momento
Amigo paulista que me colocou na rota do Dakar com sua KTM 900 Adventure


A cada aproximação de uma nova cidade nesse trajeto de aproximadamente 80 km de deslocamento em asfalto, grandes aglomerações de pessoas nos canteiros e rótulas, faziam uma festa batendo palmas continuamente e vibrando a cada piloto que por ali passava. Dessa forma, como eram os primeiros momentos do Rally por essa região, tudo também era novidade para a população. Nós motociclistas que estávamos carregados com grandes volumes de bagagens, muitas vezes até chamávamos mais atenção que os próprios competidores. Estar ali presenciando aquele momento único, sem dúvida foi algo muito especial.

Tumulto nos locais de reabastecimento


Em seguida os helicópteros que fazem a cobertura e monitoramento do Rally começaram a nos sobrevoar. Mesmo em movimento ainda consegui pegar a câmera e realizar mais alguns registros.

Helicóptero da organização do Dakar


No vídeo abaixo, consegui fazer um breve registro enquanto eu acompanhava a equipe da KTM durante o deslocamento. Fica bem visível nas imagens a aproximação da população prestigiando a passagem dos veículos.

Volto a fazer contato com os motociclistas brasileiros que estão na tentativa de descobrir como entrar para assistir uma das etapas da competição. Nesse momento percebo a grande movimentação, tanto deles quanto de outros que freneticamente estão em uma busca por informações e tentativas de entradas por diversas trilhas que perecem estar proibidas e muito bem fiscalizadas pela organização do evento. Então sigo viagem sozinho por mais alguns km e resolvo entrar na cidade chamada San Carlos de Bolivar, com o intuito de abastecer e almoçar.

No posto de combustível volto a encontrar os paulistas e resolvemos almoçar juntos. Após o almoço seguimos viagem e ao chegarmos a mais uma rótula que daria acesso a competição, o guarda não nos permitiu a entrada. Uma pessoa que estava por ali dá a dica para entrarmos mais a frente e fazermos um caminho alternativo que nos levaria naquela mesma rodovia. Os amigos resolvem seguir e sozinho começo o trajeto em meio a algumas plantações e casas. No caminho me deparo com uma imagem inusitada. Trata-se de um vagão de trem dentro de um um terreno onde encontrava-se também uma moradia.



Realmente a indicação estava correta e logo em seguida entro no asfalto. Depois de alguns km e sentindo o forte calor que fazia naquela tarde, vejo uma estrada e ao longe uma grande nuvem de poeira . Desconfio que poderia estar perto da trilha e resolvo arriscar entrando naquele caminho.



Com grande ansiedade chego a barreira militar responsável por aquele ponto de observação do Rally e já começo a ouvir o som da competição, que agora são das caminhonetes. Dessa forma não há mais o que fazer a não ser assistir a tão esperada passagem dos competidores. Pego a câmera e começo registrar mais um dos momentos mágicos desse dia tão intenso e que pode ser comprovado no vídeo abaixo onde as imagens dispensam as palavras.



Embora não tenha visto as motos na trilha da competição, já me sinto de alma lavada e resolvo sair daquele ponto de observação e enfrentar o calor intenso, agora em direção a cidade de Santa Rosa na Argentina, onde naquela noite seria a sede das equipes no Rally.

Voltando ao asfalto encontro uma barreira policial impedindo a passagem, pois naquele ponto também haveria travessia dos competidores. Comecei a conversar com um policial que ficou muito empolgado em poder ajudar. Durante a conversa me surgiu a feliz idéia de não ir a Santa Rosa e dessa forma mudar o roteiro da viagem indo um pouco mais ao sul ao invés de seguir ao oeste do mapa. Sobre a feliz idéia, ela será comentada nos relatos dos próximos dias quando volto a encontrar os motociclistas paulistas que resolveram ir para Santa Rosa naquele dia, mesmo sem hospedagem garantida.

Satisfação e pose do policial argentino preparando-se para a foto


Retorno alguns km e volto a mesma cidade que almocei e abasteci para confirmar as informações e me preparar para seguir em direção a Guamini. No posto encontro um grupo de motociclistas também brasileiros que estavam meio atrapalhados em função de perder o contato com outros companheiros. Nestes vários momentos em que presenciei grupos de muitos motociclistas realizando a mesma viagem, é que reforçava as minhas conclusões sobre a prazerosa vantagem de viajar solo. O grupo praticamente não interagira com as pessoas do local (me incluo nesse meio) e isso demonstrou que muitas vezes acabamos ficando fechados em nosso grupo de amigos, o que não costuma acontecer quando se esta sozinho e as decisões tem que ser tomadas na maioria das vezes a partir das interações com as pessoas que encontramos. As vezes num simples aperto de mão, surgem as diferenças entre andar 100 km à mais para ver nada atrativo ou entrar numa estrada não inserida no planejamento, mas que te leva a lugares que nunca mais sairão de sua mente. 

Mais um viajante, muito bem equipado por sinal


Chegando a Guamini, me sugerem um camping no Balneário de Cochico, onde falaram que haveria mais de 2.000 pessoas e muita música à noite. Nesse local teria uma pousada ou a opção de acampamento.

Fui ao Balneário Cochico, mas não me agrado com a pousada. Mesmo assim  resolvo ficar mais um pouco e fazer um lanche. Neste momento começo a perceber a formação de um dos cenários mais belos dessa viagem. Numa espécie de paralisia, não consegui e nem tinha motivos para sair daquela deslumbrante imagem no final da tarde. A decisão não poderia ser outra e em gratidão a esse dia maravilhoso que vivi, irei aprender a montar um acampamento!

Resolvi de certa forma atrapalhar a paisagem me incluindo em um dos registros. Foi uma maneira de provar que a foto da esquerda não é um cartão postal, como muitos já me comentaram em tom de brincadeira.


Ao começar a tentativa de montar e estrear a barraca , não levou muitos minutos para que um casal que estava instalado bem próximo observasse minhas atrapalhadas e se candidatasse a ajudar ou por que não dizer, montar praticamente todo meu acampamento.

É lamentável perdermos o contato com essas pessoas que fazem a diferença numa longa viagem, pois elas nos marcam e trazem sempre pensamentos muito bons sobre os seres humanos.

4º DIA - 04/01/09 (Domingo)

De Guamini (Argentina) à Choele Choel (Argentina)

Diário 531 km - Geral 2448 km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 49,50 - Alimentação US$ 13,34 - Hospedagem US$ 24,60


 

Enfrentando um dia de calor muito intenso, sigo ao sul de Guamini em direção a Bahía Blanca, para depois seguir a Sudoeste em direção a Neuquén(Argentina). Nesse mesmo dia um dos pilotos de moto do Rally Dakar desapareceu e alguns dias depois foi encontrado morto. Segundo informações encontradas na internet, ele morreu de edema pulmonar, que é causado por parada cardíaca e respiratória. Seu corpo não mostrava sinais de ferimentos ou desidratação.

Nas fotos abaixo, a confirmação de estar realmente em uma região bem diferente das que até então havia presenciado em minhas viagens. Também o forte vento, unido a muito calor formavam tempestades de areia que dificultavam bastante a pilotagem.


Grande emoção de entrar oficialmente na Patagônia!




Encontro com os pilotos do Dakar abastecendo para o deslocamento até Puerto Madryn(ARG).


Caminhões de apoio.

Reta inacreditável de 130 km entre Rio Colorado e Chole Choel


Indicação da reta no mapa da Argentina.



Foi lamentável não chegar um pouco mais cedo para desfrutar do balneário em Chole Choel. Um banhista que se apresentou como Martin Ibañez, ficou muito entusiasmado com a aventura e comentou de seu sonho de também um dia percorrer grandes distâncias em uma moto. Após a viagem, ele manteve contato por e-mail enviando fotos de suas recentes aventuras de moto e em minha segunda viagem a Argentina voltei a encontrá-lo e incluí-lo nos relatos do Projeto FORTES Ventos II.

5º DIA - 05/01/09 (Segunda-feira)

De Choele Choel (Argentina) à Neuquén (Argentina)

Diário 250 km - Geral 2690 km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 9,4 - Alimentação US$ 27,50 - Hospedagem US$ 54,16

Manutenção(troca de óleo, lavação e elétrica) US$ 41,66


 

Nesse dia me programo para andar pouco. O Objetivo era chegar em Neuquén (capital da província) e fazer a primeira revisão na moto em uma oficina autorizada. Em alguns momentos, ao invés de me beliscar para ter certeza que essa viagem não era um sonho, procurava tirar fotos de tudo que pudesse comprovar que realmente estava na Patagônia.



Felizmente estréio minhas ferramentas apenas ajudando um motociclista argentino.

No primeiro momento em que me deparei com essa imagem, fiquei impressionado. Porém, no decorrer da viagem, foram inúmeras as vezes que cruzei por locais que prestam homenagem a esse santo popular da cultura argentina, chamado Gauchito Gil.

Ao chegar em Neuquén encontro certa dificuldade para encontrar hotéis com um preço acessível. Nesse dia também aproveito para procurar uma lavanderia, acessar a internet e fazer a primeira troca de óleo em uma oficina autorizada.

Na Argentina o comércio tem um horário diferenciado, abrindo às 16 h. Após encontrar a loja autorizada, percebo que no setor de vendas, tudo parecia num padrão muito parecido aos encontrados no Brasil, porém ao chegar na oficina, mesmo os mecânicos demonstrando-se muito prestativos, o local assustava e deixava temeroso. Para minha tranquilidade, no final deu tudo certo.

6º DIA - 06/01/09 (Terça-feira)

De Neuquén (Argentina) à Bariloche (Argentina)

Diário 480 km - Geral 3170 km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 17,90 - Alimentação US$ 10,41 - Hospedagem US$ 14,58


 

Sigo em direção à Bariloche na Argentina, mas com o objetivo de passar pela cidade de El Chocón para conhecer o museu paleontológico que me chamou muito atenção nas pesquisas que fiz sobre a Patagônia, mas que pouco ouvi falar nos relatos de viagens de moto.

 

Ao chegar na cidade tive a feliz surpresa de descobrir que o Rally Dakar passaria à alguns km da cidade, sendo que a previsão era que as primeiras motos do dia ainda levariam cerca de meia hora para passar naquele ponto. Ao chegar no ponto de observação, ainda deu tempo de conversar com um entusiasta motociclista Canadense, que à alguns meses estava viajando pela América do Sul.

Foi uma sensação indescritível ter essa oportunidade no 1º Rally Dakar na América.




Represa Ezequiel Ramos Mejía em El Chocón Argentina

A localidade ficou conhecida como “O vale dos dinossauros”. Uma das descobertas mais importantes da região foram os restos fósseis do maior carnívoro do mundo, o Giganotosaurus Carolinii, encontrado em 1993 por Rubén Carolini, um aficionado à paleontologia. Além disso, existem restos de dinossauros menores, pegadas de três metros de comprimento e o bosque petrificado, também encontrados por Carolini. Atualmente este patrimônio está protegido por cientistas e pesquisadores, que realizaram obras de conservação e reprodução de fósseis, muitos destes expostos no Museu Municipal Paleontológico “Ernesto Bachmann”.

Fonte: http://www.neuquentur.gob.ar/pt/villa-el-chocon/


Momento turista

 

 

Seguindo viagem em um dia muito agradável, depois de algumas retas intermináveis, mais um momento único para minha 1ª grande viagem foi a emoção de avistar as primeiras montanhas nevadas, que mesmo à muitos km de distância, já impressionavam por sua imponência.

 

Quando me aproximo de Bariloche, a paisagem unida a sensação ímpar de estar pilotando uma moto, faz com que pense somente uma coisa: "Meus Deus eu não mereço tanto, muito obrigado!"

 

Chegando em Bariloche quase no início da noite, o frio assustava. Me apressei em procurar uma hospedagem, pois já previa que seria muito difícil nessa época do ano, além da expectativas de preços nada atrativos. Com muita sorte, na segunda tentativa encontrei um senhor que hospedava em uma peça anexa a sua casa pelo preço de US$ 15,00.

Hospedagem garantida, fui para um breve passeio pra conhecer Bariloche mesmo que à noite. Já de cara encontro uma miragem. Um estacionamento de hotel repleto de motos KTM. Procurei me informar e descobri que era uma tour organizada pela KTM da Argentina e que seguia o roteiro do Rally Dakar, sempre um dia após as competições.

 

Nessa mesma noite voltei a encontrar os paulista que me auxiliaram a sair de Buenos Aires e encontrar os competidores do Dakar em seu deslocamento. Rimos muito com a história deles no Rally, pois passaram bons bocados em Santa Rosa Argentina, tendo enorme dificuldades em se hospedar sem reserva na cidade. Um deles acabou se perdendo do grupo e teve de dormir no banco da praça da cidade. Por incrível que pareça, até aquele momento ainda não haviam assistindo de perto a uma eliminatória do Rally. Também não tiveram sorte para se hospedar em Bariloche e conseguiram apenas um hotel de preço bem elevado. Acredito que me "odiaram" quando contei da etapa do Rally em Chocón e de minha hospedagem em Bariloche por US$ 15,00.

7º DIA - 07/01/09 (Quarta-feira)

Em Bariloche (Argentina)

Diário 130 km - Geral 3.300 km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 11,90 - Alimentação US$ 16,90 - Hospedagem US$ 14,58


 

Acordo cedo nessa manhã para fazer o famoso Circuito Chico. Trata-se de um passeio de alguns km passando pelo Parque Nahuel Huapi. Como o dia está muito ensolarado, o passeio tornou-se ainda mais bonito.

 

Entre algumas opções encontradas no circuito, acabei optando apenas pelo passeio e registro da paisagem. Estava pretendendo visitar os Cerros Campanário, Otto e Catedral, mas decidi subir de teleférico somente no Cerro Campanário, seguindo as recomendações de alguns amigos motociclistas que já passaram por ali, pois a visão panorâmica do alto desse Cerro supera todas as expectativas, o que realmente comprovei! Recomendo também saborear algumas das tortas encontradas na lanchonete no alto do Cerro, saboreando também a bela visão da região dos Lagos.

Desfrutando daquele momento no alto do Cerro Campanário, me vem à mente uma cena que me emociona muito e tenho que me conter para não demonstrar isso. Lembrei-me dos momentos de infância quando uma vez por mês íamos ao centro de Porto Alegre buscar o pagamento da aposentadoria de minha mãe. Ela sempre nos levava a uma antiga lanchonete na galeria Malcon para comermos uma fatia de torta muito semelhante à que eu estava comendo naquele momento. Naquela época, um lugar muito pequeno e simples, mas um momento esperado todos os meses, agora em Bariloche, um dos lugares mais reverenciados por turistas do mundo todo.



Abaixo uma visão surreal de um casal descendo esse monte. Parecia uma passagem Bíblica.



Vou até o Cerro Catedral pensando principalmente em ter meu primeiro contato com a neve. Opto por não subir, pois como é verão e haviam poucos pontos com neve, resolvi concluir esse objetivo em outros lugares ainda nessa viagem.

Sigo a indicação do funcionário de um dos restaurantes próximo ao Cerro Catedral e sigo o passeio para outra região de Bariloche, onde encontra-se um lago e uma cachoeira. O lago que acredito ser chamado de Gutiérrez, é surpreendente devido ao degrade de sua transparência. Já a cachoeira, não surpreendeu.

 

Esse foi um dos raros dias no estilo tradicional de turista durante a viagem, pois aproveitei para caminhar pela cidade, procurar internet e observar esse local tão cobiçado por tantas pessoas que gostariam de viajar pelo mundo. A cidade é mais simples do que imaginava, mas o clima e os vários idiomas ouvidos pelas ruas devido a enorme quantidade de mochileiros ali encontrados, me fizeram ter a impressão de estar em um dos dias mais felizes da viagem. Nessa tarde também tive ótimo e inusitado encontro com o Roberto Fleischmann de Florianópolis, que me deu várias dicas para essa viagem. Me arrependi muito de não ter visitado o Museu da Patagônia localizado em Bariloche, mas no decorrer da viagem consegui resolver essa frustração.



Esse é o simpático Pépe, dono da hospedagem em Bariloche, na qual consegui por menos de US$ 15,00.

8º DIA - 08/01/09 (Quinta-feira)

De Bariloche (Argentina) à Junín de los Andes (Argentina)

Diário 260 km - Geral 3.560 km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 12,50 - Alimentação US$ 24,50 - Hospedagem US$ 44,50


 

Logo ao acordar percebo um dia de sol maravilhoso e um frio considerável, o que para alguns dos adeptos de viagens de moto, torna-se ingredientes ideais para um belo dia de passeio.

Ainda mesmo antes de sair da cidade de Bariloche, uma feliz surpresa, pois como se tivéssemos combinado um horário de saída, encontro novamente meu amigo Roberto Fleischmann que está de carro com sua esposa e acompanhado mais alguns amigos de moto.

Seguimos por alguns momentos juntos por aquele trajeto que me despertava muita curiosidade devido ao entusiasmo dos relatos que havia lido sobre a região dos lagos próximo a Bariloche e que podemos comprovar imediatamente assim que pegamos a estrada.

 

Após passar pela encantadora cidade de Villa la Angostura que chama a atenção em sua rua principal com vários estabelecimentos comerciais destacando a madeira em suas construções, me separo do grupo do Roberto.

Em um dos principais livros de relato de viagens que li, o motociclista Chardô cita um local que fiquei muito motivado a conhecer localizado no lago Espejo Chico, no qual ele cita a seguinte frase: "O paraíso existe e tem um banco."

Depois de perguntar várias vezes a localização do lago que torna-se um pouco difícil de encontrar devido as várias saídas da estrada principal que há durante o percurso, encontro este fascinante local onde também compartilho essa contemplação com o Roberto Fleischmann que coincidentemente sem combinarmos  nada já estava por lá.

Fiz questão de tirar essa foto sentado no "banco do paraíso"
segurando o livro do amigo Chardô e assim que cheguei de viagem, fui pessoalmente presenteá-lo.

 

 

Durante o percurso encontrei um motociclista que estava em uma moto Honda Tornado 250cc. Conversamos brevemente e me falou que era inglês, mas que morava no nordeste do Brasil. Ele não estava equipado, pois andava de bermuda. Além disso carregava uma prancha em um suporte ao lado da moto, muito semelhante ao que alguns surfistas aqui da região sul de Santa Catarina costumam carregar em suas motos.

Sigo viagem parando para tirar fotos em um dia de calor muito intenso à ponto de derreter alguns remendos que haviam no asfalto. Próximo a uma curva começo a perceber que os carros começam a sinalizar demonstrando que havia algo errado à frente. Infelizmente, acredito que por causa da falta de aderência devido o derretimento que mencionei acima, acabo encontrando um acidente justamente com o motociclista inglês que havia conversado. Felizmente ele já estava sendo atendido pelo socorro que veio rapidamente.


Fotos do acidente e detalhe do derretimento dos remendos no asfalto

 

Ao se aproximar da bela cidade de San Martín de Los Andes, percebe-se descendo pela estrada à margem do lago Lacar, que trata-se de uma cidade com forte turismo. Fiquei muito curioso em explorar esse local que não estava em meu projeto. Busquei informações e segui por estradas de terra e de certa forma perigosas. Acabei encontrando uma praia muito semelhante a que vi no centro da cidade, também banhado pelo lago, onde poderia ter passado boa parte da tarde e evitado um desgaste desnecessário da moto pelas estradas não asfaltadas.

Margem do Rio Lacar



Estrada que leva à outros balneários do lago. Perigo
constante dividindo a estrada com outros veículos


Vista de um dos mirante de San Martín de Los Andes

 

Acreditava cruzar a fronteira com o Chile ainda nesse dia, mas optei por ficar na cidade de Junín de los Andes. Muito cansado pelo dia intenso e de imagens inesquecíveis, o final do dia tornou-se uma peregrinação para conseguir hotel na cidade. Mas nada que não compensasse depois da sensação indescritível de ver pela primeira vez, mesmo que de longe, a imagem de um vulcão.

 

9º DIA - 09/01/09 (Sexta-feira)

Junín de los Andes (Argentina) à Pucón (Chile)

Diário 260 km - Geral 3.560 km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 17,00 - Alimentação US$ 22,90 - Hospedagem US$ 14,50


Inicio esse dia com a imagem fantástica do vulcão Lanin me acompanhando por muitos quilômetros dessa manha de viagem. Tenho a impressão que a cada curva devo tirar uma foto, tamanha minha perplexidade e contemplação ao ver tão de perto e em vários ângulos, um vulcão. Cena que eu jamais imaginaria presenciar,  quando estudava geografia na escola ou mesmo assistindo  aos noticiários.

Seguindo viagem, a estrada me leva à fronteira entre a Argentina e o Chile, onde justamente a aduana argentina é vizinha do Vulcão Lanin.

Sempre ficou muito tenso em duas situações nas viagens. Uma delas é a manutenção da moto, mesmo que em uma simples troca de óleo e a outra, nas fronteiras, onde por algum detalhe como a perda de algum papel, pode gerar grande transtorno.

Felizmente os trâmites foram muito tranquilos e ainda conversei por algum tempo com um dos agentes que também era motociclista.

Já no Chile, foi uma sensação muito boa ver pela primeira vez a placa indicando um novo país a ser visitado e tendo consciência de estar no outro extremo (oeste) da América do sul.

Sigo por uma estrada sem asfalto com o cuidado de quem esta entrando no desconhecido, pois para mim eram duas novidades: Cruzar a cordilheira (Paso Tromen o Mamuil Malal) e estrear nas estradas chilenas com o famoso e temido rípio.

Parei para um agradável lanche/almoço em uma lanchonete bem simples, mas com um riozinho bem ao lado. Após a refeição não hesitei em levar uma xicara de café para ser saboreado curtindo esse momento tão agradável junto à natureza. 

Mais um momento surpreendente nessa viagem. Avistar pela primeira vez o imponente vulcão ativo Villarica, no qual pretendia escalar no outro dia.

Chegando a agradável cidade de Pucón, tratei de agilizar meu passeio no dia seguinte ao vulcão Villarica. Em seguida trato de aproveitar a tarde para conhecer Playa Blanca nas proximidades de Pucón. Lugar incrível onde a única coisa que vinha na minha cabeça era: Meu Deus, acho que eu não merecia tudo isso! De mais!

Lá comecei  a perceber algumas características do povo chileno. Muita educação e organização. Se você comprar um docinho de uma pessoa que está vendendo com uma cesta na rua, ela faz questão de pegar seu bloquinho de notas e te dar um recibo.

 

 

Outro lugar incrível foi a cachoeira Ojos del Caburgua. Com suas águas geladas e um azul degrade que enche olhos, nenhuma conseguiu transpor o que vi por lá.

Fiquei muito impressionado pelo fato de conseguirmos avistar o vulcão de diversos  pontos da cidade e da estrada. Tentava imaginar como seria possível no outro dia pela manhã eu estar  no seu topo, mesmo tratando-se de um vulcão ativo.

A região de Pucón sem dúvida alguma foi um dos lugares mais interessantes que já conheci e que indico à todos.

 

10º DIA - 10/01/09 (Sábado)

Pucón ( Chile) à Valdívia (Chile) - Indo até a praia de Niebla na Costa do Oceano pacífico

Diário 251km - Geral 3.811km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 24,00 - Alimentação US$ 27,00 - Hospedagem US$ 20,80

Optei por uma empresa que inicia a escalada do vulcão às 4 horas da madrugada, podendo avistar o nascer do sol lá de cima e retornar às 13 horas. Pretendi também seguir viagem naquela tarde buscando ver pela primeira vez o Oceano Pacífico e seu pôr do sol, ao contrário do que vimos na costa brasileira do Oceano Atlântico. As demais excursões saem às 7 horas e retornam às 16 horas.

Ao falar para os monitores da excursão que eu queria fazer tudo aquilo no mesmo dia, me alertaram que não seria possível, pois o esforço físico na escalada é muito grande. Sugeriram-me então tirar à tarde para relaxar nas opções de águas termais na região.

 

Equipamento vestido, mochila pronta com os itens solicitados, entre eles água, chocolate, barras de cerais e óculos de sol, então iniciamos a caminhada ainda à noite. Vemos um teleférico e questionamos por que  não utilizá-lo, porém nos informam que só é utilizado no inverno pelos esquiadores.

Começo no mesmo passo do grupo, na maioria de estrangeiros e depois de 40 minutos de caminhada morro acima, percebo que não estava preparado para essa jornada. Tento mais alguns minutos e percebo que não conseguiria realizar a aventura. Quando vou falar isso ao monitor, ele simplesmente me dá uma gentil palavra de incentivo dizendo: que nada, ainda faltam mais de 4 horas de caminhada.

Na foto abaixo dá pra ter uma noção da dimensão da caminhada e do ziguezague na parede de gelo. Em minha opinião parte mais tensa e perigosa dessa aventura na subida do vulcão, na qual inexplicavelmente me veio  a nítida sensação e recordação  de naquele momento estar na cena de um pesadelo que tive à muitos anos atrás.

Com a passada muito lenta, percebia que aquele lugar era tão fascinante que mesmo eu tendo desistido nos primeiros minutos de caminhada, não conseguia parar de subir. Nunca irei esquecer as palavras dos monitores a cada vez que me distanciava do grupo e um deles vinha me acompanhar dizendo: "O limite é sua mente" ou "Muito bien hombre!"

Depois de 5 horas de caminhada, chego ao cume do vulcão meia hora depois do grupo e quase na hora de retornar. A vontade era de sair pulando e gritando de alegria pela conclusão da escalada. Ver a cratera de um vulcão ativo, no qual no dia anterior parecia ser inimaginável chegar, era simplesmente surreal. Não tenho dúvida alguma que esse foi e será um dos lugares e momentos mais impressionantes de toda minha vida.

Recolhendo uma pequena recordação desse lugar incrível

Monitores que sobem quase todos os dias o vulcão

Descida escorregando nas trilhas de gelo, na qual eles costumam chamar de esqui-bunda

 

Retorno à cidade de Pucón por volta das 14 horas e decido dormir um pouco pra descansar, tentando ainda retomar a ideia de seguir para a costa do Pacífico à pouco mais de 100 km e ainda naquela tarde, presenciar o pôr do sol. Pra minha surpresa acordo aproximadamente uma hora depois e percebo que seria possível seguir viagem, já que o dia se mantém com claridade até mais tarde.

Na cidade Valdívia, fiquei até meio assustado, tamanha a vontade de um jovem tentar me ajudar indicando hotéis. Felizmente percebo depois que realmente era apenas a hospitalidade dos chilenos à um turista com uma moto muito carregada.

Assim que consigo me instalar no hotel, trato de seguir para o balneário de Nuebla pra encontra o Oceano pacífico. É indescritível chegar à lugares que estão em nossos projetos e aos poucos nos dão a dimensão o quanto estamos longe de casa.

 

Um dia pra não ser esquecido. Manhã: Sol nascendo na subida do vulcão Villarica. Tarde: Pôr do sol no Oceano Pacífico. Niebla - Valdivia/Chile

 

Banhistas diferentes visitando Niebla

Acabei encontrando no caminho esta festa muito legal com danças e música típica

Janela praticamente no teto do quarto no hotel

 

11º DIA - 11/01/09 (Domingo)

Valdívia (Chile) à Puerto Varas (Chile)

Diário 411km - Geral 4.222km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 22,91 - Alimentação US$ 12,50 - Hospedagem US$ 31,00

 

Acordo nesse belo dia, ainda extasiado com todos os acontecimentos do dia anterior e acabo optando por conhecer um pouco de Valdívia.

Hotel que fiquei hospedado

Foi lamentável não ter buscado mais informações dessa cidade que foi atingida por um terremoto e possuem locais que ainda podem ser observados os reflexos do ocorrido.

Acabei visitando outros pontos também muito agradáveis e que me deixaram boas recordações.

 

 

 

 

No final da manhã sigo em direção à Puerto Montt e fico encantado mais uma vez com os vulcões da região. Dessa vez os vizinhos Osorno e Calbuco. Em Puerto Montt tento ver como funciona o transporte marítimo para ir à Chaitén , mas as informações estavam muito confusas. Então tive a feliz decisão de seguir a indicação do meu amigo motociclista Rauen e conhecer a cidade de Puerto Varas no Chile.

.

Indicação estranha de programa...

Uma das paisagens que mais me impressionaram no Chile, foi presenciar as pessoas se banhando em belos lagos, tendo ao fundo a imagem de imponentes vulcões.

 

 

Mesmo sem definir hotel pra essa noite, resolvo aproveitar cada instante desse final de dia para ganhar tempo e fazer um passeio por essa linda região.

Vou até o parque onde fica os Saltos de Petrohué e acabo encontrando dois motociclistas chilenos, sendo que um deles chamado Germam, acabou virando um amigo que voltei a encontrar em outras viagens que fiz.

 

 

 

Petrohue

 

Estrada que sobe serpenteando até a base do vulcão Osorno. É uma pena que a luz do dia dificultou a visualização da foto dessa bela estrada em meio as arvores

Base do vulcão Osorno. A vontade é de ignorar as limitações para os veículos e  seguir subindo até onde fosse possível. Apenas vontade.

Acredito que seja uma das fotos mais legais dessa viagem.

Vulcão Osorno

 

12º DIA - 12/01/09 (Segunda-feira)

Puerto Varas (Chile) à Puerto Varas (Chile) - Indo a Ilha de Chiloé

Diário 388km - Geral 4.610km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 33.30 - Alimentação US$ 16,60 - Hospedagem US$ 25,00

Reservo esse dia para conhecer a mística Ilha de Chiloé, com a intenção de retornar no mesmo dia para Puerto Varas. Percebo que terei de encarar chuva pela primeira vez nesses 12 dias de viagem. A travessia é feita de balsa e minha ansiedade é grande por se tratar de uma ilha do outro lado do nosso continente e um lugar que eu não eu tinha muitos relatos.

 u

 s

Chegando lá trato de pegar informações na Oficina de turismo, como costumam chamar e deixo a moto perto de uma viatura da policia onde um soldado  gentilmente me atende. Sigo conhecendo a cidade naquele dia sombrio e me decepciono um pouco com o visual das famosas casas de palafitas na cidade de Castro.

 

Vou a uma agência de turismo perguntar sobre a travessia por mar até Chaitén e o dono da agência me dá  duas dicas: Dar a volta por terra, pois o barco só sairia dali à alguns dias e a outra era de quando fosse passar pela Carreteira Austral, não deixar de conhecer Caleta Tortel, que fica quase ao final da carreteira e se destaca por ser uma cidade onde as casas são ligadas somente por passarelas de madeira.

Quando conto ao dono da agência sobre meu trajeto de viagem percorrido até o momento, ele acaba carinhosamente me chamando de "papa-asfalto".

Voltando ao centro da cidade, estaciono a moto novamente perto da viatura e percebo que agora outro soldado está em serviço. Quando me aproximo para pedir informação, simplesmente me dá a maior bronca, dizendo: "É pra pedir informação?  Vai procurar a oficina de turismo!" Fico chocado com a atitude do policial e meio sem entender o motivo de tamanha aspereza.

Saio dali meio chateado e vou até outro lado da rua visitar a famosa Catedral de madeira. Um dos principais atrativos turísticos da Ilha de Chiloé são justamente as várias igrejas construídas em madeira.

 

Meio sem clima para continuar conhecendo a ilha, opto por retornar ao continente. Pra piorar minha impressão da ilha, simplesmente não consigo arrancar a moto em uma sinaleira, pois cerca de cinco cachorros ficam em posição de ataque, esperando que a moto partisse para avançar. Quando abriu o sinal dou uma acelerada forte para fugir dos cachorros, mas justamente na outra esquina o sinal estava fechado novamente. Foi necessário então que um pedestre me ajudasse com os cachorros para que eu conseguisse partir com a moto. Naquele momento me senti como se tivesse sendo  expulso da ilha.

Felizmente antes de sair de Chiloé, paro em uma cidadezinha e encontro um casal de ciclistas que mesmo tendo que montar sua barraca em plena praça e com o tempo chuvoso, passavam uma alegria muito grande e satisfação por ter encontrado mais um viajante aventureiro. Esses rápidos encontro com pessoas como essas, nos revelam o quanto vale a pena estar na estrada.

 

 

Na estrada também encontramos outras pessoas que nem imaginam o quanto foram importantes durante nossas viagens, apenas pelo simples fato de nos atenderem bem nas hospedagens. Para elas poderia ser simplesmente mais um hóspede, mas para nós em viajem solo, acabam tornando-se nossa casa e família naquele dia.

 

13º DIA - 13/01/09 (Terça-feira)

Puerto Varas (Chile) à El Bolson (Argentina)

Diário 550km - Geral 5.160km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 27,50 - Alimentação US$ 12,5 - Hospedagem US$ 25,00

Saio de Puerto Varas com o tempo nublado, mas consigo impor um ritmo de viagem bem forte nesse dia. Sigo por uma estrada com bom asfalto e paisagem muito agradável em direção à cidade de Osorno. Logo em seguida pelo Paso Cardenal Samore sigo até a fronteira passando dessa vez do Chile para a Argentina.

 

Os trâmites na fronteira com o Chile foram tranquilos, porém dessa vez na fronteira com a Argentina, passei por uma situação extremamente chata que atrasou minha viagem em várias horas e quase me deixou sem combustível na estrada.

Fui atendido por um jovem que começou a dizer que faltava um documento. Coloquei no balcão todos os papéis que eu havia recebido nas fronteiras e mesmo assim ele se manteve dizendo que não poderia fazer os tramites sem esse papel. Então pergunto a ele se devo voltar 30 km até a fronteira com o Chile para agilizar o que faltou. Ele sem me dar muita atenção, falou que eu deveria ir.

Retornei a fronteira do Chile e os atendentes disseram que esse documento não era necessário se tratando de um brasileiro. Insisti então para que registrasse isso para que eu pudesse apresentar esse argumento na outra fronteira. Ele indignado com minha insistência, pega uma folhinha de rascunho que havia por ali, escreve algumas palavras e carimba em cima, praticamente me expulsando do balcão.

Retorno mais 30 km até a Aduana da Argentina e já começo a ficar preocupado com uma possível falta de combustível.

Voltando lá sou atendido por outra pessoa que simplesmente me fala que não precisava nada daquilo mesmo e que o jovem atendente era um novato no setor e não sabia que era um documento exigido apenas entre Argentina e Chile. O rapaz que estava no  balcão ao lado me olha com uma cara desconcertada, só lhe restando pedir desculpas pelas horas que eu havia perdido naquela confusão desnecessária.

Na charmosa Villa la Angostura.

Nesse dia consigo voltar a Bariloche e visitar o museu da patagônia, pois na minha última passagem pela cidade acabei perdendo o horário de funcionamento.

 

 

Instrumentos musicais

É incrível a quantidade de mochileiros em Bariloche. Também foi muito divertido assistir a um deles dançando ao som de um grupo que tocava seus instrumentos na praça em uma bela tarde ensolarada.

A Bariloche que poucos conhecem

De Bariloche em direção à El Bolsón, é impressonante as novas cores cinzas que aparecem no altos de morros bem próximos a estrada.

 

Detalhe para o contraste entre o carro e a imensidão da montanha cinza.

Ao chegar em Él Bolson me impressiono também com a quantidade de mochileiros e dificuldade para conseguir hospedagem com um preço acessível.

Porém foi uma cidade na qual fiquei com muito pesar por não ter chego um pouco mais cedo para apreciar o final de tarde. Percebi que estavam desmontando algumas bancas de comércio e uma banda guardava seus equipamentos em meio a um gramado onde muitas pessoas estavam sentadas. Provavelmente à pouco tempo atrás estavam curtindo um som, bem no estilo hippie anos 70.  Por ali também havia um lago, com direito até a pedalinhos.

 

14º DIA - 14/01/09 (Quarta-feira)

El Bolson (Argentina) à Esquel (Argentina)

Diário 300km - Geral 5.460km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 9,00 - Alimentação US$ 8,00 - Hospedagem US$ 18,00

 

Ainda meio frustrado por não ter explorarado um pouco mais da cidade, resolvo aproveitar uma parte da manhã para tentar ir a alguns lugares na redondeza.

 

Vou também a um parque com entrada paga, onde há uma estrutura montada para os visitantes chegarem até o local onde se consegue ver a imagem de um Índio esculpido na rocha pela natureza.

 

Placas que me chamaram atenção durante a viagem.

Tento ir à ao Parque Nacional Lago Puelo e mais uma vez encontro uma entrada paga. Acabo ficando aborrecido com tantas cobranças e como o dia estava nublado e frio, prefiro então então seguir viagem.

No caminho pego uma tempestade de assustar, com vento e frio de "bater queixo". Sem ter onde se proteger, tive que seguir em frente com a visibilidade muito comprometida pela força da chuva.

Chegando a Esquel, trato de agilizar a lavação de roupa e a 2ª troca de óleo da moto. Consigo uma oficina grande onde compro o filtro de óleo. Inexplicavelmente levo horas para realizar uma simples troca, pois além da qualidade ruim do filtro, também não conseguíamos vendar completamente a tampa do filtro no motor, deixando sempre um "fiozinho" de óleo escorrendo.

Grupo apresentando-se nas ruas de Esquel

 

15º DIA - 15/01/09 (Quinta-feira)

Esquel (Argentina) à Villa Santa Lucía (Chile) - Indo à cidade de Chaltén

Diário 269km - Geral 5.729km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 25,50 - Alimentação US$ 14,00 - Hospedagem US$ 21,00

Chegou o grande dia de conhecer a famosa e temida Carreteira Austral no Chile. Inicio este dia com a tensão da tumultuada troca de óleo do dia anterior, a expectativa de novo tramite de fronteira, agora da Argentina para o Chile, levando em conta que minha última fronteira foi com grande  transtorno. Além da ansiedade para trafegar por esta estrada onde os abastecimentos e recursos são bem limitados.

Paro na cidade de Trevelín para comprar água, pois é algo que nunca deve faltar na bagagem. Aproveito também para abastecer a moto em um galpão com combustível guardado em galões e com preço altíssimo. Aproveito também para acrescentar na bagagem uma carga extra com um recipiente contendo 5 litros de combustível reserva.

As fronteiras em lugares mais desabitados são bem mais tranquilas e agradáveis, pois os funcionários parecem fascinados pelas histórias dos aventureiros que por ali passam e também acabam nos dando dicas valiosas sobre a região.

Entrando no Chile dessa vez pelo Paso Futaleufú, começo a presenciar a bela diferença da coloração das águas dos rios e riachos. O azul anil da Região de Bariloche, agora é substituída por um azul turquesa que enche aos olhos.

A estrada vai ficando cada vez mais linda e os picos nevados, cada vez mais próximos da estrada.

Algo que eu costumava fazer em Santa Catarina, era pegar a moto para rodar por estradas do interior, saindo frequentemente da rota a cada entrada que me parecesse interessante. Assim tentava descobrir algo novo e belo para observar.

Neste momento me vejo fazendo o mesmo, porém a mais de 5.000 km de casa, sem ninguém saber que eu havia entrado ali, aumentando ainda mais o risco de uma viagem solo. Porém os locais que muitas vezes encontramos, não estão nos relatos de viagens que costumamos ler.

 

 

 

Chegando a Villa Santa Lucia no Chile, finalmente encontro a Carreteira Austral.  A ansiedade de continuar o trajeto é grande, mas resolvo parar e almoçar neste restaurante muito simples.

Após o almoço sigo viagem em direção ao norte, sabendo que terei de rodar cerca de 80 km até onde a estrada termina e depois retornar a esse mesmo ponto que estou agora para seguir ao sul da carreteira. O motivo? Ir até a cidade de Chaitén, onde há pouco tempo houve a erupção de um vulcão e há algumas semanas apenas a cidade foi liberada para a entrada de visitantes.

Entrando na Carreteira Austral em Villa Santa Lucia

 

Aos pouco vai caindo a ficha de estar rodando nessa estrada tão reverenciada por viajantes do mundo todo e as imagens que costumava a ver pela internet e livros começam a aparecer diante dos meus olhos.

 

Aos poucos também começo a visualizar pela primeira vez o gelo em um tom azul inacreditável.

Pontos estratégicos das forças armadas do Chile.

Dois cuidados constantes: O Terreno de difícil pilotagem e as caminhonetes cruzando em alta velocidade jogando pedras e diminuindo o espaço para trafegar com a moto

Percebendo a aproximação da cidade de Chaitén pelo aumento da quantidade de cinzas do vulcão na estrada.

Impressionante a visão do vulcão Chaitén que continua em atividade muito próximo a cidade de mesmo nome.

 

Cidade quase abandonada e coberta pelas cinzas

Pela altura das cinzas nos brinquedos do parque, dá para avaliar a situação que encontramos por aqui.

 

Não se pode consumir a agua local e nada que foi plantado na região. Embora a cidade esteja pouco habitada, encontrei um posto de combustível com o preço bem mais acessível que no meu último abastecimento em um galpão.

A bandeira de "Eu Amo Chaitén" comove quem chega à cidade.

Curso do rio foi desviado pelo acumulo de cinza, destruindo ainda mais a cidade.

Retornando em direção ao sul, agora com a paisagem repetida e me adaptando rápido a pilotagem no rípio, começo a criar coragem acelerando cada vez mais forte. O excesso de confiança é tanto, que por vezes me vem à cabeça a inspiração dos dias em que pude presenciar as etapas do Rally Dakar.

 

Seguindo cada vez mais confiante em uma descida com curvas, me assusto percebendo que a parte traseira da moto fica praticamente sem estabilidade e quase sem controle. Como vinha muito concentrado em função da velocidade mais alta do que deveria, rapidamente consigo ter a percepção de não frear bruscamente, reduzindo  as marchas com atenção.  Pela necessidade do momento acabo descobrindo uma experiência de pilotagem que nem eu mesmo sabia que tinha, conseguindo finalmente parar  com segurança a moto carregada. Felizmente meu anjo da guarda não descança, pelo contrário, me chama a tenção quando começo a abusar da sorte.

Ao descer percebo o estrago. Um prego que entrou tão preciso, não dando tempo nem de ouvir aquele clássico som do pneu esvaziando.

Essa era uma das situações que eu mais temia. Ter que concertar um pneu fora de uma borracharia e o pior, em plena Carreteira Austral.

Hora de decidir o que fazer em plena 7 h da tarde/noite. Analiso o mapa, a quilometragem que percorri e chego a conclusão que estou aproximadamente 2 quilômetros da cidade de Villa Santa Lucia onde almocei. Arrisco seguir empurrando com a moto ligada e felizmente concluo que estava certo nos meus cálculos.

Saio a procurar uma borracharia e a única coisa que encontro foi uma mecânica misturada com borracharia de uma empresa de obras que estava trabalhando por ali. Peço ajuda e o senhor que me atende diz que ali não é uma borracharia. Eu vendo que ali era realmente uma borracharia e o cara não queria atender naquele horário, descubro algo eu não sabia nessa região. Os borracheiros não costumam desmontar as rodas das motos para concertar. Simplesmente querem que você desmonte tudo e deem a eles apenas a câmera para o concerto.

Sigo pela cidade tentando arrumar então uma hospedagem para aquela noite e solucionar o concerto do pneu no outro dia. Porém o único lugar que me indicam era uma espécie de pousada de um militar da cidade. Ao procurá-lo ele diz que não há vagas, algo que eu acho muito difícil naquela época e região. Então peço a ele para montar a barraca no pátio da casa, mas e ele se recusa também.

A partir desse momento começo a ficar realmente preocupado. Consigo informação que ali perto alguém teria um compressor de ar para podermos concertar o pneu. Procuro essa pessoa que mesmo com a mão machucada, se dispõem a ajudar a concertarmos o pneu. Nesse momento também chega um ciclista para ajudar e começamos a conversar sobre suas aventuras de bicicleta pela Patagônia, comentando que chega a rodar 100 km por dia em estrada sem asfalto e muitas vezes dormindo em barracas.

Iniciamos suspendendo a moto em um troco, mas a moto tomba feio pelo menos uma ou duas vezes. Nisso chega dois mochileiros com latas de cerveja na mão e oferecem ajuda. Um deles conta que também tem moto e aos poucos vamos concertando o pneu. Assim que finalizamos, ele coloca a mão no painel da moto pra pegar a chave dizendo que queria ligar para testar. Nesse momento me veio um frio na barriga e a mente apenas a possibilidade deles estarem ajudando para em seguida levar a moto. Pego rapidamente a chave da mão dele e o ciclista que chegou primeiro ao local começa a se afastar. O homem da casa percebe minha reação estranhando tudo aquilo e então se oferece para guardar a moto na casa. Os mochileiros vão tentando acalmar a situação e começam a se despedir também. Agradeço aos mochileiros pela ajuda e aos céus por não ter acontecido o inesperado.

Converso mais um pouco com o homem que me ajudou e consigo negociar uma hospedagem em sua casa naquele dia. Ele resolveu dormir em outro lugar e me deixou sozinho trancado na casa.

Durante a noite muito fria, uma tempestade com vento começa a fazer um barulho assustador e em pouco tempo as luzes da cidade se apagam completamente. A visão da janela do quarto naquela noite de apagão era algo para testar os mais FORTES.

Desconhecido amigo que fez a diferença em um dos momentos difíceis dessa aventura.

16º DIA - 16/01/09 (Sexta-feira)

Villa Santa Lucía (Chile) à Puerto Aisen (Chile)

Diário 344km - Geral 6.073km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 21,00 - Alimentação US$ 11,00 - Hospedagem US$ 21,00

Depois de uma noite assustadora de tempestade aos pés da Cordilheira do Andes na Carreteira Austral, sendo acordado várias vezes pelo barulho do vento na casa simples de madeira, ao amanhecer o dono da casa me chama no horário combinado. Percebendo o frio daquele dia nublado e vendo pela janela a chuva que não para de cair, resolvo aguardar até o final da manhã para tentar sair sem a chuva. Vou dormir novamente já preocupado com as condições da estrada nessas circunstâncias.

Ao acordar fico meio confuso com o horário, olho a moto pela janela e vejo o inesperado. O pneu concertado no dia anterior está vazio novamente. Nesses momentos sempre vem ao pensamento aquela frase: "O que estou fazendo aqui?" Afinal de contas, tudo é maravilhoso enquanto as coisas vão bem.

Então volto a falar com o dono da casa para tentarmos encher o pneu da moto, porém ele me lembra de que ainda estamos sem luz elétrica. Mais uma vez a pergunta: "O que estou fazendo aqui?" ou "Pra que eu inventei essa viagem?". São essas perguntas  que fazemos quando ainda temos pouca ou nenhuma experiência em viagens de aventura, mas que aos poucos vamos percebendo que alguns problemas são totalmente reversíveis e que basta apenas um pouco de calma para pensar, analisando a melhor maneira de resolver tudo da melhor maneira possível.

Lembro então que carrego na bagagem a bomba de ar para encher pneus. Coloco a roupa de chuva, já que a casa não possui nenhuma área coberta para colocar a moto e ao encher novamente o pneu, percebo que a câmera deve estar com um furo pequeno, possivelmente feito por nós mesmos pela inexperiência na hora montá-la  na roda.

Moto carregada e sigo com chuva constante até a próxima cidade para tentar concertar novamente e seguir adiante. 

Frequentemente se encontra animais em plena estrada e nas curvas há o trilho somente para um carro, deixando a pilotagem ainda mais perigosa.

Vou até La Junta, cidade vizinha um pouco maior com mercado, restaurante, posto de combustível e borracharia. Percebo que o pneu não cedeu nenhuma libra e mesmo indo até a borracharia, decido seguir viagem assim mesmo. Algo que não foi correto, afinal de contas o pneu já havia esvaziado anteriormente e não havia motivo algum para se arriscar novamente em plena Carreteira.

Carreteira Austral General  Augusto Pinochet. Construída durante o regime militar  para permitir o desenvolvimento do extremo sul do Chile.

Quando saio do posto de combustível sou avisado que o próximo trecho estaria interditado para obras até às 14 horas, não restando alternativa a não ser esperar o desbloqueio.

Obras constantes no percurso.

 

Neste momento e ambiente,  começa vir a cabeça constantemente a imagem do meu pai com suas histórias de viagem de bicicleta ou mesmo em seus passeios comigo na garupa pelo bairro. Fico pensando sobre a influência que acabei tendo ouvindo aquelas aventuras na qual ele percorreu cerca de 150 km de Porto Alegre/RS até a comunidade de São José no interior de Cerro Grande do Sul/RS, subindo aquelas montanhas com uma bicicleta simples, levando mais de um dia nesse trajeto. Agora me dou conta de estar também numa aventura por estradas tão difíceis, porém e uma distância inimaginável até então. Confesso que foi um momento de reflexão e emoção.

 

Em minhas pesquisas pela internet vi a foto de um lugar que fiquei impressionado. Trata-se da imagem de uma cachoeira proveniente de uma geleira azul, que mais parece cena de filme, cartão postal ou um lugar inatingível. Anoto o nome do lugar para durante a viagem ver a possibilidade de encontrá-lo.

Encontro a entrada do parque por uma simples placa quase imperceptível. Então saio poucos quilômetros da rota principal e chego a portaria do parque, recebendo a informação que há várias trilhas com diferentes tempos de caminhada, mas também há um mirante próximo dali.

Resolvo ir primeiro ao mirante e quando chego a uma clareira em meio às árvores, levo um choque ao dar de frente com a imagem que havia visto nas pesquisas. Fico frustrado pela minha máquina  fotográfica muito simples não conseguir captar a grandeza e a beleza desse lugar que tenho como um dos mais bonitos que já visitei.

Indico à todos que passarem pela Carreteira Austral, não deixarem de visitar o Ventisquero Colgante no Parque Nacional de Queulat.

 

 

 

Nesse trecho tenho nítida noção de estar é uma região selvagem e bem diferente do que eu imaginava. Confesso que estar na primeira viagem solo em um lugar tão inóspito, me desperta uma sensação de medo, ainda mais levando em conta a tensão de estar rodando com uma câmera de ar furada.

Esse foi um dos trechos mais difíceis, subindo em ziguezague em uma estrada estreita e molhada nesse dia. Felizmente todas as dificuldades são superadas a cada bela paisagem encontrada.

 

 

 

Na estrada de rípio tenho a impressão que a moto flutua nas pedras e por estar tanto tempo com atenção redobrada, começo sentir o enorme cansaço de pilotar nessas condições, com frio e eventuais chuviscos.

À medida que o final de tarde se aproxima, o frio aumenta fazendo com que eu fique numa espécie de busca para alcançar os trechos da estrada onde há os raios e calor do sol pra esquentar, o que altera e alivia muito o frio. 

 

Já iniciando a noite resolvo ir à cidade de Puerto Aisen ao invés de ir direto à Coihaique, pretendendo conhecer mais uma cidade nesse trajeto. Chegando ao hotel percebo que o pneu da moto agora esta com calibragem muito baixa. Então vou ao posto e encho o pneu com a esperança de manter assim até amanhã de manhã e seguir viagem para concertar e comprar mais uma câmera de ar reserva em Coihaique.

Foram poucos os momentos que vi atrações musicais durante a viagem, mas nesta cidade acabei encontrando bem próximo ao hotel uma grande festa em um clube com cantores cantando com playback.

 

 

17º DIA - 17/01/09 (Sábado)

Puerto Aisen (Chile) à Puerto Murta (Chile)

Diário 307km - Geral 6.380km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 25,00 - Alimentação US$ 18,00 - Hospedagem US$ 11,00

Acordo bem cedo numa manhã muito fria, calibro mais uma vez o pneu e sigo em direção à Coihaique por uma estrada que destaca-se pelos túneis em meio as rochas das montanhas.

 

 

Demoro um pouco até conseguir a indicação certa de uma oficina e conto com a gentileza de um jovem motociclista chileno que se oferece para me levar até o local. No caminho mais uma vez temos que enfrentar os cachorros nas ruas tentando atacar as motos, sendo que dessa vez acontecendo uma fatalidade com um dos cachorros. Um deles acaba sendo atropelado por um carro que vinha em sentido contrário e como numa cena de filme, os outros cachorros ficam em volta do cachorro atropelado.

Embora muito bem atendido numa oficina grande com motos de diversas marcas, o concerto leva praticamente a manhã toda, pois após desmontar a roda, tiveram que levar a um borracheiro para concertar a câmera.

Pedi também que conseguissem uma câmera nova para eu levar de reserva. Conseguiram apenas uma câmera da KTM que custou US$ 31,00, praticamente o dobro do preço normal.

Muito interessante o enorme tanque de uma das motos na foto acima. Abaixo, os motociclistas norte-americanos donos das motos que estavam viajando há muitos meses e aguardavam o pedido de peças para concertar uma delas.

O dono da oficina com seus experientes mecânicos. Essa oficina em Coihaique me parece um posto de referência interessante para quem tiver problemas pela Carreteira Austral.

PESTANA Servicio Automotriz - Fco. Bilbao #457 - www.pestana.cl

No início da tarde sigo em direção à Cochrane. Acabo errando a saída de uma estrada e vou parar no aeroporto da cidade. Volto um pouco por um atalho que me leva a uma estrada de terra e mais uma vez tomo um susto com cachorros. Dessa vez ele estava na caçamba de uma caminhonete, solto, latindo e dando a entender que pularia a qualquer momento para atacar.

A seguir alguns dos trechos mais tranquilos e belos da Carreteira Austral.

 

 

 

 

 

 

Sempre que lia relatos de motociclistas citando essa lanchonete dentro de um ônibus, ficava muito curioso em um dia passar por esse lugar para conhecer.

 

Nesse trajeto consegui variar muito a velocidade. Alguns lugares andando muito lento e em outros com a terra compactada, andando muito rápido.

Em alguns momentos também se fez necessário algumas paradas para tirar o capacete e contemplar a imensidão daquela paisagem totalmente diferente do que eu já tinha presenciado até então, onde o quase silêncio é quebrado ao ouvir-se o barulho da água em pequenos córregos as margens da estrada.

O Cerro Castillho é um dos pontos de destaque nesse trecho.

 

Uma das coisas que mais me impressionou na carreteira, foi ver muito mais bicicletas do que motos.

Resolvo entrar na cidade de Puerto Murta, pois em meu mapa indicava um posto de combustível. Mais uma vez encontrei um ponto de abastecimento em um galpão com a gasolina muito cara guardada em latões. Peço para tirar uma foto do local, mas como já era de se imaginar, a pessoa que me atende não autoriza.

Estou num final de tarde de sábado e ao perguntar ao dono do posto sobre seguir até Cochrane, ele me recomenda ficar por ali mesmo, pois ainda teria pelo menos umas três horas de viagem. Então resolvo ficar em uma pousada muito aconchegante onde há também um casal de ciclistas alemães.

Nesta noite consigo ir dormir muito cedo, porém também começo a sentir um desconforto aparentemente na região da bexiga, me fazendo pensar em alguma associação com o frio que passei nesses últimos dias.

A vista da janela do quarto parecia um quadro com uma paisagem emoldurada.

 

18º DIA - 18/01/09 (Domingo)

Puerto Murta (Chile) à Cochrane (Chile) - Indo à Caleta Tortel

Diário 403km - Geral 6.783km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 12,00 - Alimentação US$ 14,50 - Hospedagem US$ 14,50

 

Foto da rústica pousada que fiquei na cidade de Puerto Murta na Carreteira Austral.

 

 

Durante esse trecho começo a sentir uma dor muito desconfortável na região abdominal. Decido então descer da moto e caminhar um pouco para sair da posição constante de pilotagem. Após alguns minutos me movimentando fora da moto, sinto que a dor passa totalmente e sigo viagem. Mal sabia o que me esperava nos dias seguintes.

 

 

 

 

Há uma preocupação muito grande com relação à possibilidade de instalações de represas nessa região da Patagônia Chilena, pois os moradores e a paisagem única desse lugar reverenciado por turistas do mundo todo, sofreriam mudanças drásticas.

 

 

Chego à Cochrane por volta do meio dia, tratondo de almoçar e garantir uma pousada para a noite. Descarrego um pouco da bagagem da moto, agora levando apenas o baú com as ferramentas para poder ir até a cidade de Caleta Tortel à 130 km dali. Essa cidade havia sido indicada por um dono de agência de turismo de Castro na Ilha de Chiloé, pelo fato de se tratar de uma cidade onde as “ruas” são todas de passarelas feitas em madeira. Resolvi tirar parte da bagagem, pois teria que andar esse trajeto e voltar à cidade de Cochrane novamente no final da tarde.

Abasteço a moto e sigo por uma estrada muito estreita e difícil de trafegar, fazendo com que a velocidade seja baixíssima, levando em torno de 3 horas para completar o 130 km do trajeto de ida. Começo a perceber o desgaste excessívo da moto naquela estrada, ao ouvir barulhos de peças soltas que até então não vinha percebendo

Abasteço a moto e sigo por uma estrada muito estreita e difícil de trafegar, fazendo com que a velocidade seja baixíssima, levando em torno de três horas para completar o trajeto de ida. Começo a perceber o desgaste excessivo da moto ao ouvir barulhos que até então não vinha percebendo.

Na carreteira é muito comum termos três trilhos para seguir, onde o mais confortável é seguir pelo trilho do meio onde a estrada está mais compactada, porém quando vimos um carro em sentido contrário ou mesmo ao nos anteciparmos de uma curva, passar pelas pedras para chegar ao trilho lateral é sempre um desafio.

Ao se levar em conta 130 km em meio a uma viagem de 11.500 km, parece pouco. Porém ao imaginar essa distância relacionando a quilometragem entre duas cidade conhecidas como Porto Alegre e Gramado/RS e trafegando pelo interior por estradas precárias de terra, dá pra se ter uma noção mais clara dessa aventura. Também impressiona o pouquíssimo trafego de veículos nessa região praticamente deserta, onde a natureza parece intocável.

A paisagem é linda mas não muito diferente da que vemos nos trecho anteriores. A não ser esse trecho em meio às árvores formando uma espécie de túnel verde.

No trecho que aparece logo atrás da moto, quase tive um acidente com um carro que vinha em sentido contrário, justamente numa curva onde haviam apenas dois trilhos para trafegar.

Chegando a Caleta Tortel já muito cansado das três horas de estradas de rípio de difícil pilotagem. Não me animo a passear muito pela cidade, pois nesse caso não a alternativa a não ser caminhar pelas passarelas. Caminho uns 30 minutos e começo a me preocupar com as três horas de volta à Cochrane. Levo em conta principalmente que já é final de tarde e caso houvesse mais algum incidente, como o de um pneu furado, por exemplo, teria de concertá-lo sozinho e à noite naquela região deserta.

 

 

O trajeto é longo e na medida em que vou seguindo, também vai escurecendo. Nas poucas casas que encontro no caminho, vejo essa cena de um grupo carneando um boi, bem à sua maneira em um gramado.

 

Chegando ao hotel depois de um dia rodando muitas horas somente no rípio, mesmo muito cansado, resolvo tirar um pouco da poeira que está na corrente da moto para poder lubrificá-la no outro dia de manhã. Inesperadamente a dona do hotel quer me cobrar pela água que estava usando. Percebi através dessa atitude e de a água quente do chuveiro esfriar depois de alguns minutos no banho, que água é algo muito valioso por lá.

19º DIA - 19/01/09 (Segunda-feira)

Cochrane (Chile) à Perito Moreno (Argentina)

Diário 277km - Geral 7.060km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 12,50 - Alimentação US$ 13,00 - Hospedagem US$ 19,00

Nesse dia acordo com a consciência que o trajeto da Carreteira Astral havia sido superado com sucesso e com muitas lembranças para toda uma vida.

Retorno alguns quilômetros da Carreteira Austral para voltar à Argentina pelo Paso Jeínemeni, com a intenção de chegar a cidade de Comodoro Rivadavia no outro extremo da América do Sul (leste), na costa com o Oceano Atlântico.

Sem dúvida, uma das estradas mais bonitas para trafegar visualizando por muito tempo o lago General Carrera no Chile, que depois passa a ser chamado de lago Buenos Aires no lado Argentino.

 

 

 

Embora a estrada nos convide para relaxar e contemplar tamanha beleza, também exige uma atenção muito grande, pois o trafego de veículos é maior, tornando-a muito perigosa pelo rípio e altura das ribanceiras. Também há o perigo de se chocar com outros veículos nas curvas muito estreitas sem visualização do restante da estrada e com muitas pedras soltas, tendo que trafegar em muitos trechos à cerca de 20 km/h.

 

 

 

 

 

 

Chegando a Chile Chico trato de almoçar e tentar fazer o câmbio de moeda. Porém,  aprendo nesse momento que andar com dólares facilita bem mais o câmbio, pois em caso de emergência se consegue trocar dólares nas agências bancárias. Aproveito também para tirar um pouco de pó da moto e descarregar o combustível extra.

Saio no meio da tarde em direção a fronteira e quando estaciono em frente à Aduana do Chile, ouço um barulho estranho na moto e logo percebo que o pneu  traseiro começa esvaziar rapidamente com um prego visivelmente grande. Subo na moto rapidamente e tento chegar com o pneu ainda com ar na cidade de Chile Chico que fica à 4 km dali. Porém consigo andar só alguns metros e a traseira da moto já começa a balançar.

Em mais uma tentativa de chegar rodando na cidade, subo no tanque da moto e sigo mais alguns metros até perceber que não adiantou nada, pois o peso das bagagens pressiona muito o pneu traseiro. Resolvo verificar como está a situação e vejo que a câmera saiu do pneu e se enrolou no cubo traseiro fazendo uma "maçaroca" praticamente impossível de ser revertida, a não ser pegando o canivete suíço que meu amigo Mauro Tautz emprestou e cortando a câmera para se soltar da roda.

Descido então seguir empurrando até aparecer alguma ajuda para transportar a moto. O que não acontece e acabo empurrando a moto por 4 km. Durante o caminho sou apenas ajudado por um casal que percebeu que minha jaqueta solta no banco da moto havia caído. Agradeci muito à eles, pois perder a jaqueta durante uma viagem pela Patagônia, não é nada recomendável.

Mais uma vez no Chile, o borracheiro pede para eu desmontar a roda e entregar apenas a câmera de ar para ser concertada. Colocamos a moto entre o tripé e um tronco de madeira e percebo que desmontar a roda torna-se uma tarefa incomparavelmente mais fácil do que montar ela depois.

O borracheiro está com uma demanda muito grande de serviço naquele momento e pediu que esperasse um pouco para me ajudar a colocar a roda novamente. Espero por quase uma hora e então resolvo encarar sozinho mesmo.

Ao tentar encaixar o eixo traseiro e a pinça de freio, acabo encavalando de uma maneira que fico com medo de quebrar a peça. Resolvo aguardar mais um pouco a ajuda, até que o filho do dono da oficina começa a me ajudar. Depois de algumas batidas com o martelo de borracha em uma chave de fenda, conseguimos retirar novamente o eixo traseiro e recomeçar o trabalho, agora a quatro mãos e alguns pés.

No caminho me impressiono com a força do vento que chega a formar ondas no Lago que agora no lado argentino tem o nome de Buenos Aires.

Chegando à cidade de Perito Moreno na Argentina tenho muita dificuldade de arrumar hotel. Tanto pela disponibilidade, quanto pelos preços. Raramente faço isso durante as viagens, mas nessa noite acabo ficando em um quarto compartilhado com outros hóspedes europeus.

Durante a noite volto a sentir o desconforto na região da bexiga, fazendo eu ir muitas vezes ao banheiro para urinar, mas já me preocupando pelo fato de não estar urinando muito.

 

20º DIA - 20/01/09 (Terça-feira)

Perito Moreno (Argentina) à  Comodoro Rivadávia (Argentina)

Diário 400km - Geral 7.460km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 19,00 - Alimentação US$ 8,00 - Hospedagem US$ 46,00

Acordo cedo pegando o asfalto no início da manhã com o vento lateral muito forte, a ponto de alguns carros ficarem atrás de mim para observar a batalha que eu travava tentando manter a moto na pista. Depois de alguns quilômetros o sentido da estrada acaba deixando o vento a favor e fazendo com que a moto de apenas 400 cilindradas e carregada, alcançasse velocidades incompatíveis a sua potência. Tenho dúvidas se esse fator não acarretou em problemas futuros no motor da moto.

Percebo durante a viagem que a dor na região abdominal persiste aumentando o desconforto e vontade de ir ao banheiro urinar.

Início a procura por mais uma câmera reserva, parando primeiro na cidade de Las Heras, mas sem sucesso. Acabo encontrando o organizador do evento na época intitulado como o moto encontro mais austral do mundo.

 

Ao me aproximar da cidade de Caleta Oliva, começo a perceber que se trata de uma  região onde o petróleo movimenta a economia. Lá consigo comprar também a câmera de ar para a moto.

Em Caleta Oliva preciso tomar uma decisão importante na viagem. Ou sigo direto para o sul em direção ao Ushuaia, ou retorno 80 km ao Norte para fazer a revisão na cidade de Comodoro Rivadavia. Acabo tomando a  decisão de andar mais um pouco e fazer a revisão, pois a próxima etapa ao sul seria um dos trechos mais desertos da viagem.

Nesse trecho pego pela primeira vez o verdadeiro vento patagônico. Já havia lido relatos que este é um dos trechos mais perigosos com relação ao vento, devido às montanhas que estão ao lado da estrada, fazendo com que os vãos entre elas, proporcionem rajadas repentinas e muito fortes.

Nesse dia o calor era intenso e realmente tive muita dificuldade com o vento, principalmente quando a direção era em sentido contrário da moto, fazendo com que perdesse muita potência. Em determinado ponto percebi que um caminhão vinha colado atrás de mim, não me restando alternativa a não ser sair para o acostamento de pedras, quase perdendo o controle da moto.

Agora voltando a avistar o Oceano Atlântico em nosso litoral leste da América do sul.

Encontro facilmente a autorizada Honda que fica às margens da Ruta 3, principal rodovia dessa região. Subo a calçada para manobrar a moto e o inesperado acontece. Simplesmente em frente à loja autorizada da Honda, o motor começa a apresentar uma batida forte muito estranha. A primeira coisa que me vem a cabeça é sobre minha decisão certa de retornar para fazer essa revisão.

Aguardo aproximadamente 2 horas na frente da loja até a abertura da oficina. Ao falar com o mecânico chamado Luiz, ele cogita a possibilidade de problema na corrente de comando ou regulagem de válvulas. Explica-me também que naquela tarde seria impossível iniciar o trabalho, pois já haviam vários concertos em andamento.

Sem alternativa inicio a difícil procura  por um hotel na cidade de Comodoro Rivadavia, onde muitas empresas acabam reservando as vagas dos quartos de solteiro para seus empregados em passagem pela cidade. Então me obrigo a ter que ficar com um quarto de casal que é bem mais caro.

Ao chegar ao quarto, muito ruim por sinal, me deito para descansar, mas a dor abdominal começa a apertar, fazendo com que eu decida fazer contato com o seguro saúde que havia contratado para essa viagem. Ao ligar fui muito bem atendido, me encaminhando a uma consulta no dia seguinte no hospital da associação espanhola, também chamado de sanatório.

Contratar um seguro saúde é um dos procedimentos que sempre opto a cada viagem.

 

21º DIA - 21/01/09 (Quarta-feira)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Comodoro Rivadávia - Indo à Caleta Oliva (Argentina)

Diário 80km - Geral 7.540km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 00,00 - Alimentação US$ 21,00 - Hospedagem US$ 18,00

No início do dia vou ao hospital e sou atendido por um médico que dá o diagnóstico de infecção urinária, me receitando um antibiótico. Chego a cogitar a possibilidade de cálculo renal, pois já passei por essa situação anteriormente, porém ele mantém o diagnóstico.

Meio de transporte durante minha estadia e espera pelo concerto da moto em Comodoro Rivadavia. Aqui o motorista  também fica responsável pela cobrança da passagem.

Gosto muito quando vejo o nome "Patagônia" durante a viagem. Chama-me atenção e volto a ter noção da dimensão da viagem que estou realizando.

Reconheço que minha religiosidade ficou muito “adormecida” ao chegar à vida adulta, ainda mais levando em consideração, na adolescência minha vontade de seguir a vocação sacerdotal. Hoje penso que o problema não é Deus, mas sim as religiões.

Agora definitivamente não tem jeito. Quando nos vimos encurralados e sozinhos, é inevitável recorrermos a pedir, ou mesmo refletir. Nesses momentos de oração, independente da fé e no que se acredita, tenho a impressão de estar numa espécie de desabafo, conversando com quem mais conheço nessa vida, ou seja, comigo mesmo. Tento refletir sobre como agir numa situação de impotência como essa, estando tão longe de casa, com dor e aguardando pela solução da moto.

Depois de alguns minutos sentado no quase silêncio de uma igreja próximo ao hospital, tenho a impressão de naquele instante conseguir visualizar uma espécie de luz que traz a sensação do alívio da dor, ajudando a criar força, coragem e serenidade para absorver os ensinamentos sobre tudo que estava passando.

Foi um dia longo de espera. Enquanto passava a tarde aguardando o concerto da moto, fiquei caminhando por alguns lugares da cidade, entre eles essa capela as margens da Ruta 3, costeando também o Oceano Atlântico. Nesse lugar fiquei por algumas horas refletindo sobre tudo o que vi nos mais de vinte dias de viagem.

Conforme combinado no final da manhã, retornei a oficina para ter a resposta sobre as causas do problema com a moto, sendo informado que possivelmente seria apenas uma regulagem de válvulas. Então definimos para buscar a moto no final da tarde, com a esperança de seguir viagem no dia seguinte em direção ao Ushuaia.

Fotos com a equipe mecânica da Honda de Comodoro Rivadavia. Pessoas que me atenderam muito bem e me auxiliaram em um dos momentos mais difíceis de todas as viagens que realizei. Um especial FORTE abraço ao Luiz chefe da equipe (uniforme vermelho).

Nesse dia precisei mais uma vez ficar em um hotel com quarto compartilhado, pois o preço da hospedagem estava inviável. Acabei dividindo o quarto com alguns artistas africanos que vendiam seus artesanatos pelas ruas da cidade.

22º DIA - 22/01/09 (Quinta-feira)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Comodoro Rivadávia (Argentina)

Diário 000km - Geral 7.540km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 00,00 - Alimentação US$ 12,00 - Hospedagem US$ 15,00

No dia anterior procuro arrumar um local que eu pudesse ligar às 7 horas da manhã para a rádio Som Maior e fazer mais um boletim ao vivo sobre a viagem. Então conversando com o  guarda de um supermercado, ele comenta que eu poderia ligar do telefone público que havia dentro do local. Ele comenta que o outro guarda que estará nesse horário, já morou na fronteira do Brasil e ficará muito contente em falar com um brasileiro.

Acordo cedo e percebo que a moto ainda faz um barulho estranho ao ligar, mas resolvo partir mesmo assim. Vou ao mercado e ao falar com o guarda chamado Hugo, percebo sua felicidade ao encontrar alguém do Brasil. Inclusive insistiu muito para que eu fosse almoçar ou jantar em sua casa. Mesmo falando que já estava de partida, ele faz questão de deixar seu telefone para eu procurá-lo em outra oportunidade.

 

Sigo viagem com a esperança de agora chegar ao extremo sul do mundo. Após rodar aproximadamente 80 km chego à cidade de Caleta Oliva, porém quando paro na primeira sinaleira, tenho a grande decepção de voltar a ouvir o barulho no motor, demonstrando o mesmo problema ocorrido à dois dias atrás na chegada em Comodoro Rivadavia.

Mais uma vez tento manter a calma, tomando a decisão de dessa vez fazer contato com a seguradora da moto no Brasil, solicitando que providenciasse um guincho para retornarmos à oficina da Honda em Comodoro Rivadavia (80 km).

Ao procurar um posto telefônico, fui gentilmente atendido pelos funcionários, que me ajudaram muito ao oferecer o contato para a seguradora retornar a ligação. O retorno com a seguradora foi rápido  pedindo então para que eu esperasse o guincho no posto onde a moto estava.

O retorno da seguradora foi muito ágil, em compensação o guincho levou pelo menos 4 horas para aparecer, chegando ao local às 3 horas da tarde.

Posto e lanchonete onde aguardava o guincho.

Durante o caminho de volta a cidade de Comodoro Rivadavia, o motorista do guincho menciona a possibilidade da seguradora enviar a moto para o Brasil. Nesse momento começo a visualizar esse fato, levando em conta os custos que possivelmente teria para concertar a moto numa cidade com um custo de vida tão alto. Retornando a cidade, trato de deixar a moto na oficina e começar a fazer contato com a seguradora que acaba descartando a hipótese de transporte até o Brasil, pois o contrato prevê apenas 200 km de guincho. Faço contato com mais alguns amigos, entre eles o Robson Brigido e César Hess que ficam de procurar mais informações sobre situações semelhantes, ou mesmo a possibilidade de alguma transportadora.

Vendo que teria de ficar mais um dia nessa cidade, lembrei de entrar em contato com o Hugo, guarda de supermercado que havia me oferecido um jantar. Ao ligar, ele faz questão que eu vá à sua casa e que fique essa noite lá também.

Resolvo voltar ao mercado para pegar o endereço do Hugo com seu colega guarda e  ficar aguardando o horário de ir ao jantar. No caminho começo a sentir novamente a dor abdominal e procuro tomar muita água com a esperança de que ao urinar essa dor passe.  Começo a andar mais rápido,  pois a dor começa a ficar semelhante a que eu havia sentido em um trecho da Carreteira Austral, dando a impressão de estar localizada a esquerda do abdômen e parecida  com a que havia sentido à alguns anos atrás, quando tive problemas de cálculo renal ou pedra nos rins. Aquela dor havia aumentado gradativamente até chegar próximo ao insuportável e foi o que realmente aconteceu dessa vez também. Apenas deu tempo de eu chegar no supermercado e pedir para que o guarda chamasse um taxi às pressas para me levar ao hospital e avisasse o amigo Hugo sobre minha desistência do jantar.

Ao chegar ao hospital que havia consultado no dia anterior, a secretária não consegue entender muito bem a questão do seguro saúde que eu havia utilizado anteriormente e com uma cara de desconfiada, fica sem saber o que fazer. Mesmo assim vendo meu semblante e postura de dor, me encaminha para uma consulta. Fico na fila, mas vou pelo menos umas três vezes até a secretária dizer que não estou suportando mais a dor. Justamente na última vez que levanto para falar com a secretária, a médica acaba chamando o meu nome e como não estava ali, entra outro paciente.

Alguns munutos depois consigo entrar na sala e ao falar para médica sobre a viagem, ela me atende muito bem comentando que também viaja de moto com seu marido, mas que evitava, pois achava muito desconfortável andar na estrada. Porém desconfortável mesmo era o que estava sentindo, mal conseguindo prestar atenção, tamanha a dor que sentia naquele momento. Comento com ela sobre minha consulta anterior erradamente diagnosticada como infecção urinária, comentando também minha opinião sobre a possibilidade de pedra nos rins. Ela concorda com essa hipótese me encaminhando para uma maca onde iniciam a medicação para dor.

Mesmo tomando mais de um litro de água, não consigo urinar e desesperado com a dor, começo a chamar os enfermeiros que dizem que o medicamento levará mais um tempo para fazer efeito. Fico preocupado também com um formigamento nas mãos e mais uma vez chamo o enfermeiro, pedindo a ele que confira a pressão. Ele pede para que eu procure relaxar, pois dessa forma facilitaria até mesmo a saída da pedra.

A pior parte desse momento foi dar-se conta de estar naquela situação sozinho, sem ter avisado ninguém no Brasil e vulnerável a qualquer situação que pudesse acontecer ali. Dessa forma se o diagnóstico estivesse errado e algum problema mais grave ocorresse, eu não teria alguém para autorizar ou acompanhar alguma cirurgia, por exemplo. Então sem alternativa, tentei desligar do mundo e deixar na mão de Deus. Naquele momento fiquei olhando para o teto e concentrado para manter-me acordado. A única coisa que  vinha à mente era imaginar a pedra se movimentando.

Passado alguns minutos sinto uma espécie de barulho no abdômen e ao ir ao banheiro consigo urinar, diminuindo sensivelmente a dor e dando uma sensação de alívio indescritível. Em seguida fizemos um exame de urina e mesmo sem a pedra ter saído, confirmaram o diagnóstico do cálculo renal.

Tentamos ver a possibilidade de eu ficar no hospital naquela noite, assim teria a garantia de ser acompanhado caso a dor voltasse e por incrível que pareça, pensei também na condição de ter uma hospedagem, pois procurar hotel em Comodoro Rivadavia, à noite e sem a moto, seria quase impossível. Porém não conseguiram fazer contato com o seguro saúde e apenas marcaram um ultrassom no dia seguinte.

Saio do hospital e peço ajuda de um taxista para conseguir hospedagem. Após passarmos por muitos lugares, consigo ficar numa pousada indicada por ele, que nem nome tinha, me deixando um tanto apreensivo.

 

23º DIA - 23/01/09 (Sexta-feira)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Comodoro Rivadávia (Argentina)

Diário 000km - Geral 7.540km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 00,00 - Alimentação US$ 11,00 - Hospedagem US$ 00,00

Depois de uma noite mal dormida pela adrenalina do ocorrido e ansiedade para acordar e ir ao hospital fazer os exames, saio cedo não vendo ninguém na pousada, mesmo tendo pedido para que o atendente me chamasse no horário combinado. Como já havia pago na entrada, vou embora sem falar com ninguém.

Ao chegar ao hospital me pedem para ficar tomando apenas água e reter liquido durante às 3 horas que antecedem o ultrassom. Lá pelas 11 horas da manhã já  não aguentava mais de dor, mas dessa vez por causa da bexiga cheia e isso que ainda restavam 40 minutos para o exame.

Durante a manhã fiquei com meu caderno de anotações escrevendo muito sobre as reflexões de toda a viagem, o que acabava chamando a atenção de quem estava na sala de espera também. Em outros momentos lia ou mesmo saia para caminhar e passar o tempo, durante as pelo menos 4 horas que permaneci naquele local.

O exame comprovou que se tratava realmente de cálculo renal, encontrando uma pedra de aproximadamente 4 mm em um dos rins, fora a outra que possivelmente já estaria se movimentando para sair, porém não sendo possível vê-la naquele tipo de exame.

Consegui falar por telefone com o Robson que confirmou a  não cobertura do seguro para enviar a moto ao Brasil e com o Cesar Hess que viu a possibilidade de transporte por cerca de US$ 1.000,00

Saindo dali fui até o supermercado dar um retorno ao Hugo que havia me convidado para jantar na noite passada. Ele com sua alegria contagiante insiste para que eu o aguarde até o final do seu turno às 14 h e assim ir comigo até a oficina. Na oficina me informam que teríamos que retificar a tampa de válvulas e que isso teria uma resposta definitiva da retificadora somente às 18 horas. Hugo não arreda o pé dali e começa a sondar o que eu quero fazer. Então mais uma vez me convida para ir à sua casa para almoçar. Aceito seu convite preocupado em estar lhe causando algum transtorno, levando em conta que ele não estava indo para casa definitivamente para descansar, mas sim para trocar de roupa, pois teria outro trabalho à noite também.

Ele mora numa casa simples alugada em cima de um morro, que no início me deixa um tanto preocupado, tratando-se de um desconhecido. Porém chegando lá, me apresenta sua esposa, dois filhos e fala de mais um amigo que mora com a família. Depois do almoço volta a me insistir para que eu fique por lá, o que me emociona muito, vendo que se trata de uma pessoa trabalhadora que abre sua casa e expõe sua família para ajudar um estranho que está passando por um momento muito difícil em uma viagem solo tão distante. Aceito o convite e peço para que façamos pelo menos um acerto financeiro, mas ele não aceita de jeito nenhum e só diz para que eu fique tranquilo e em paz, deixando as coisas se resolverem naturalmente.

Fico muito impressionado com essa atitude do Hugo que me fez repensar muito sobre tantos valores que ignoramos nessa vida.

No final da tarde, seu amigo chega do trabalho e me leva para ouvir uma espécie de ensaio de carnaval argentino nas ruas do bairro.

Vista de um parque eólico em cima do morro onde Hugo mora.

Casa do Hugo, guarda de um supermercado na argentina que me hospeda em sete  dos nove dias que permaneci na cidade de Comodoro Rivadavia aguardando o concerto da moto e me recuperando da crise de pedras nos rins.

 

Vista do pôr do sol no Oceano Atlântico em todos os finais de tardes na casa do Hugo, em um dos morros de Comodoro Rivadavia, .

Observei que Comodoro Rivadavia é uma cidade de extremos sociais, pois há quem ganhe muito bem trabalhando nas empresas petroleiras, porém o custo de vida é altíssimo, dificultando a vida de quem trabalha em outras funções não ligadas ao petróleo.

24º DIA - 24/01/09 (Sábado)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Comodoro Rivadávia (Argentina)

Diário 000km - Geral 7.540km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 00,00 - Alimentação US$ 34,00 - Hospedagem US$ 00,00

 

Pela manhã resolvo ir a oficina buscar algumas roupas que estavam ainda nas malas da moto e recebo a notícia que será possível retificar a  peça do motor, mas somente ficará pronta na quarta-feira. Volto para a casa e a dor na lateral do abdômen recomeça. Tomo um medicamento pra dor que levo na bagagem, indicado para somente quando a dor for muito forte. Vendo que a dor não passa resolvo ir de taxi até a oficina novamente, para buscar o passaporte e mais dinheiro que estão guardados no baú a moto.

Almoço e em seguida vou tentar dormir um pouco percebendo que a dor alivia, mas ao levantar para ir ao banheiro, recomeça forte novamente. Resolvo então retomar o contato com o seguro de saúde e eles pedem que eu retorne ao hospital do dia anterior. Vemos também a possibilidade de eu voltar de avião para o Brasil.

Assim que chego ao hospital, em seguida o Pablo amigo do Hugo chega também, demonstrando a preocupação deles por mim e o incansável esforço em tentar ajudar de mais alguma forma. Percebo que estou realmente com mais uma nova família nessa minha vida. 

Faço os exames já sem dor achando que naquele momento a pedra poderia sair, mas nada consta no exame. Volto para casa do Hugo num sábado chuvoso, onde me aguardam com uma sopa.

25º DIA - 25/01/09 (Domingo)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Comodoro Rivadávia (Argentina)

Diário 000km - Geral 7.540km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 00,00 - Alimentação US$ 6,50 - Hospedagem US$ 00,00

 

Acordei muito bem nesse dia já com a movimentação do Hugo para fazer um churrasco de domingo. Sem dor alguma penso até na possibilidade de seguir a viagem ao Ushuaia novamente.

Foi uma manhã muito agradável, na qual conversamos bastante sobre os lugares que o Hugo passou e morou. Ele conta que me ajuda naquele momento por que também esteve em situação semelhante com sua família em uma viagem de carro e foi igualmente auxiliado por um desconhecido.

Próximo ao almoço a dor inicia novamente, mas consigo aliviar com remédios mais leves. Hugo como sempre tenta me tranquilizar dizendo que de nada vai adiantar eu ficar preocupado ou estressado, pois o que mais preciso agora é relaxar e tudo irá se resolver.

 

Quarto que fiquei na casa desses eternos amigos argentinos.

Resolvi aproveitar à tarde para dar uma volta pela cidade naquele bonito domingo de sol, ficando impressionado também com o movimento no centro da cidade. Vou a um Centro Comercial e a uma praia, ficando estarrecido em ver o pessoal tomar banho naquela água aparentemente poluída tão próxima ao porto e no centro da cidade.

Aos poucos e com muito cuidado, vou informando o pessoal do Brasil sobre tudo que vem acontecendo, pois tenho noção que eles podem se apavorar com a situação, sem saberem exatamente o que está acontecendo comigo realmente. 

Vou também ao centro de informações turísticas e me informam alguns contatos para ver a possibilidade de a moto seguir viagem em transporte marítimo, caso eu volte de avião para o Brasil. Volto para casa do Hugo no final de tarde e fico sentado no muro da casa apreciando mais um pôr do sol e refletindo sobre tudo que vem acontecendo naquele momento e quais decisões tomar.

 

26º DIA - 26/01/09 (Segunda-feira)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Comodoro Rivadávia (Argentina)

Diário 000km - Geral 7.540km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 00,00 - Alimentação US$ 9,00 - Hospedagem US$ 00,00

Pela manhã vou até o porto para tentar falar com uma pessoa que poderia ver os trâmites para mandar a moto por transporte marítimo, porém concluímos que não é tão fácil como imaginámos.

À tarde tenho uma consulta com um Urologista que é médico especialista nesses casos de cálculo renal. Ele me encaminha para um exame de tomografia e dessa vez se consegue ver uma pedra de 3 mm já na entrada da bexiga. Ele me diz que o ideal seria não seguir viagem de moto nessas condições.

Exame em fim comprovando o cálculo renal ou pedra nos rins.

Volto à concessionária Honda e vemos a possibilidade de eu vender a moto a eles. Um possível comprador pede que eu volte amanhã para ele ter tempo de ver se realmente é possível pelas questões burocráticas que envolvem um veículo de outro país. Também recebo a notícia que amanhã moto estará pronta.

 

27º DIA - 27/01/09 (Terça-feira)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Comodoro Rivadávia (Argentina)

Diário 000km - Geral 7.540km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 00,00 - Alimentação US$ 6,00 - Hospedagem US$ 00,00

Nesse dia recebi a notícia do plano de saúde, liberando meu retorno de avião para o Brasil. Porém tomei a decisão de voltar pilotando a moto, pois todos os contatos que havia feito tornaram ainda inviáveis mandar a moto separada para o Brasil. O problema em não acatar a ordem do médico sobre evitar andar de moto, seria também não ter mais a cobertura do seguro saúde. Uma decisão muito difícil, sabendo que os riscos existiam e voltar a sentir aquela dor na estrada durante a viagem de volta, seria algo horrível.

Havia também a possibilidade de deixar a moto em algum lugar na cidade e voltar em outro momento para buscar, porém teria praticamente os mesmos gastos. Então mantive a decisão de retornar por terra e de moto mesmo, descartando a hipótese de ir ao Ushuaia dessa vez, devido às condições de saúde e insegurança com a moto.

Ao retornar a concessionaria para buscar a moto e ver a situação de uma possível venda, o pessoal fala que realmente não é tão fácil essa transação comercial, descartando essa possibilidade.

Pego a moto no final da tarde e dou algumas voltas para testá-la. Percebo que o barulho do motor ainda não está completamente resolvido. Volto à oficina e ele fala que não há problema e que poderia fazer outra regulagem de válvulas assim que chegasse a Porto Alegre. Aproveito também o final de tarde e vou ao supermercado agradecer aos amigos que me ajudaram nos dias em que estive por aqui.

Aproveito também para visitar um dos mirantes da cidade e ver mais um pôr do sol. 

Nesse dia havia o aniversário do sobrinho do Hugo e a festa foi até tarde com muito do bom churrasco argentino. Foi muito divertido ouvir o “Parabéns pra você" cantado em outro idioma: "Cumpleaños feliz".

 

28º DIA - 28/01/09  (Quarta-feira)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Comodoro Rivadávia (Argentina) - Indo até Balneário de Rda Tilly

Diário 124km - Geral 7.664km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 00,00 - Alimentação US$ 3,00 - Hospedagem US$ 60,00

Pego a moto para andar nas redondezas da cidade durante o dia todo e ter certeza que poderei seguir viagem com tranquilidade. Pela manhã aproveito para passar em uma transportadora e acabo descobrindo que naquela época a maneira mais em conta para transportar a moto, seria mandar por transportadora até Buenos Aires e dali arrumar outro transporte até a fronteira com Uruguaiana, onde poderia passar empurrando se fosse o caso. No Brasil teria de ver outro transporte ainda. Possivelmente em mais alguma situação de emergência, essa seria uma alternativa a ser estudada.

Já com a ótima sensação de estar realmente no último dia naquela situação, faço um passeio muito agradável ao balneário de Rada Tilly, vizinho à cerca de 12 km de Comodoro Rivadavia, onde há um ponto de observação de lobos marinhos.

 

 

Vou até o Museu do Petróleo em Comodoro Rivadavia e fico deslumbrado com a história do início da exploração na região. Isso aconteceu quando tentaram perfurar o solo para conseguir água, porém o que jorrou foi petróleo. Na foto abaixo o número 2 indica a segunda perfuração, já com a intenção de explorar petróleo. 

 

 

 

 

No final da tarde vou até outra oficina e peço que observem o barulho do motor. Os mecânicos dizem que seria necessária uma regulagem de válvulas. Volto à concessionária Honda e peço essa última regulagem que fica marcada para o outro dia de manhã. Deixo a moto para o retoque final e volto caminhando para casa.

Na parede um mini tambor argentino, mais conhecido como bumbo leguero, que comprei na cidade para presentear os filhos do Hugo.

 

29º DIA - 29/01/09  (Quinta-feira)

Comodoro Rivadávia (Argentina) à Trelew (Argentina) - Indo à Pinguinera Punta Tombo

Diário 502km - Geral 8.166km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 20,00 - Alimentação US$ 15,00 - Hospedagem US$ 23,00

Acordei cedo e tomei café com Hugo e sua família. Distribui alguns presentes que havia comprado a eles e nesse momento ele me fala que coincidentemente quando foi ajudado por um desconhecido durante uma viagem com sua família, também como eu, coincidentemente também ficaram sete dias hospedados. Então dessa forma, seria uma maneira de retribuir pela atitude daquele amigo. Por mais que eu tente agradece-los, não me vinham palavras que descrevessem o quanto uma atitude como aquela ficaria marcada em minha vida.

Vou buscar a moto, carrego as bagagens e me despeço de todos seguindo agora com muita calma e precaução em direção ao norte, para chegar ao Brasil depois após alguns dias de viagem. No caminho encontrei alguns motociclistas brasileiros que passaram por praticamente os mesmos lugares por onde passei, porém não viram quase nada. Nesse momento percebi o quanto fui cuidadoso ao aproveitar para conhecer cada detalhe do trajeto escolhido.

Resolvo não deixar de conhecer a pinguinera Punta Tombo, a alguns quilômetros à frente. Lá encontro dois motociclistas argentinos, um deles chamado Carlos Rivera. Um motociclista muito deslumbrado pelo Brasil e que faz questão de tirar muitas fotos de nosso encontro.

O lugar é impressionante e vale cada quilômetro rodado para visitá-lo. A proximidade com os pinguins e quantidade existente no lugar é surreal para nós brasileiros que não temos contato com esses animais.

 

 

 

 

 

Na saída do parque os motociclistas argentinos me convidaram para seguir com eles em direção a Puerto Madryn. Aceito o convite e fazemos uma viagem em um final de tarde muito agradável. Durante o caminho mesmo levando 5 litros de gasolina extra, quase fico sem combustível.

 

Como chegamos à cidade de Trelew já à noite, resolvo então ficar por ali mesmo para economizar com a hospedagem e quem sabe no outro dia visitar o famoso museu paleontológico da cidade. Os amigos motociclistas seguem para Puerto Madryn.

O Carlos Rivera continuou mantendo contato por e-mails e acabou indo ao Brasil algumas vezes onde voltamos a conversar. Nos anos seguintes também fui à Argentina visitá-lo.

 

30º DIA - 30/01/09  (Sexta-feira)

Trelew (Argentina) à  Bahia Blanca (Argentina)

Diário 811km - Geral 8.977km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 46,00 - Alimentação US$ 15,00 - Hospedagem US$ 18,00

Acordo muito cedo para ligar para rádio Som Maior Premium e depois de muitos dias sem conseguir me comunicar com a rádio, consigo falar ao vivo com o Adelor Lessa que parece impressionado com todas as histórias vividas nesses últimos dias. O público interagiu durante a entrevista e foi um momento muito interessante, compartilhando a viagem com todos que estavam acompanhando e preocupados com o que estava acontecendo.

Tento ir ao Museu Paleontológico, mas acabo ficando preocupado com o horário da visita que poderia atrasar mais algumas horas da viagem. Também naquela época não consegui um lugar seguro próximo dali para deixar a moto carregada.

Caminho de volta ao Brasil pela Ruta 3

Entro na cidade de Puerto Madryn e fico impressionado com a beleza do lugar e frustrado por não poder aproveitar um pouco mais o balneário.

 

Casal viajando por meses em ritmo muito tranquilo pelas estradas do sul do mundo.

Tempestade de areia durante o caminho até a cidade de Bahia Blanca na Argentina, onde pernoitei nesse 30º dia de viagem.

Poeira cobrindo o sol.

 

 

31º DIA - 31/01/09  (Sábado)

Bahia Blanca (Argentina) à  Maipú (Argentina)

Diário 643km - Geral 9.620km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 47,00 - Alimentação US$ 21,00 - Hospedagem US$ 9,00

Placas muito motivadoras no caminho entre Bahia Blanca e Mar del Plata.

 

 

Preocupado com o pneu traseiro da moto, começo a entrar nas cidades nas quais o amigo Chardô em seus relatos, diz conseguir facilmente pneus para vender. O problema é que estava num sábado à tarde e isso se tornou-se uma tarefa muito difícil. Tentei primeiramente em Necochea, mas naquele horário só foi possível conseguir pneu em Mar Del Plata, aproveitando também para fazer a troca de óleo do motor. Na cidade fiquei impressionado com as grades de segurança que haviam na lojas de vendas de peças de moto.

Queria ter passado pelo litoral entre as cidades de Miramar e Mar del Plata, pois várias pessoas relataram ser um belo lugar, mas infelizmente acabei dando bobeira  e deixando passar a entrada da cidade seguindo direto para Mar del Plata.

A cidade de Mar del Plata me impressionou muito pela grandeza, onde as avenidas chegam a ter quatro pistas em sentido único.  A beleza do lugar me fez ficar com muita vontade de retornar para curtir com calma esse que é o principal balneário da Argentina.

 

 

 

 

 

Depois de andar um pouco pela cidade, peço informação de como seguir em direção a Buenos Aires. O trânsito da cidade é intenso e depois de alguns quilômetros consigo chegar na auto pista. Percebo que não vou conseguir andar muito, pois começa a anoitecer, então resolvo ficar na pequena cidade de Maipú.

 

32º DIA - 01/02/09  (Domingo)

Maipú (Argentina) à  Tacuarembó (Uruguai)

Diário 871km - Geral 10.491km

Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 47,00 - Alimentação US$ 21,00 - Hospedagem US$ 23,00

Sem dúvida alguma o hotel que fiquei na noite passada foi um dos piores de todas as minhas viagens. Pela manhã tenho a impressão que a pedra que me fez sofrer tanto nos últimos dias teria saído, mas não consegui ter coragem de procurá-la, pois o banheiro era coletivo e igualmente terrível.

Nesse dia me programei para andar muito e avançar o máximo possível. Na saída da cidade peguei algumas dicas que foram importantíssimas para que eu desviasse de Buenos Aires e seguisse por estradas menos movimentadas, diminuindo muito o trajeto.

Importante: Precisa-se estar atento a essas rodovias secundárias, pois muitas vezes a manutenção e condições são precárias, podendo surpreender com desníveis consideráveis e perigosos nas pistas.

Durante o caminho acabei encontrando esse cemitério de carroças à beira da estrada.

Nesse dia andei muito constante e tentando ficar o mínimo possível parado nos postos de abastecimento, evitando inclusive almoçar. Porém o cansaço também era grande, ainda mais pela retomada e adaptação à viagem, depois de nove dias parado em Comodoro Rivadavia.

No caminho encontro essa moto irmã gêmea argentina.

Já próximo ao Uruguai, quando vejo essa cena de um cachorro indo de carona na moto com óculos de proteção, fico boquiaberto e não hesito em tirar algumas fotos.

 O danado ainda fez pose colocando a lingua pra fora

 

Passo em um mercado em Colón Argentina e acabo ganhando um santinho de proteção do dono do mercado. Atravesso a fronteira para Paysandú no Uruguai e resolvo carregar gasolina extra para chegar a Tacuarembó no Uruguai, mesmo viajando a noite.

De presente pelos 871 km rodados nesse dia, ganho mais um pôr do sol para jamais ser esquecido.

 

 

Durante a viagem à noite levo dois grandes sustos. O primeiro foi ver a luz de um único farol que se aproximava e não saía da minha pista. Começo a diminuir a velocidade e a luz não sai da pista. Ao chegar mais próximo consigo perceber que se tratava de um trator que transitava no mesmo sentido que eu, com um farolete virado para trás.

Outro susto foi quando acabou a gasolina. Como já estava previsto peguei o galão com os cinco litros reservas e ao tirar a chave da ignição percebi que teria de passar a gasolina do galão para o tanque na escuridão. Com preguiça de pegar a lanterna que estava no fundo da bagagem e no escuro também, acabei fazendo a transferência do combustível no escuro mesmo.

Quando ligo a moto novamente e o farol acende, percebo que derramei muito combustível,  praticamente lavando a moto.

 

33º DIA - 02/02/09  (Segunda-feira)

Tacuarembó (Uruguai) à  Canoas/RS (Brasil)

Diário 620km - Geral 11.111km


Custos básicos em dólar (na época R$ 2,40)

Combustível US$ 62,00 - Alimentação US$ 7,00 - Hospedagem US$ 23,00

Amanhece o dia com um temporal, mas em seguida o tempo fica aberto e com  temperatura agradável. Passo em Rivera para comprar uma máquina fotográfica com as economias que fiz durante a viagem e entro no Brasil pela cidade de Livramento no Rio Grande do Sul.

Adentrando pelas estradas do Brasil começam a ficarem nítidas as riquezas desse país. Tanto em detalhes simples como um cafezinho sendo oferecido gratuitamente nos postos de combustível, quanto pela paisagem que chama atenção pelo verde abundante, preenchendo todo o espaço de terra.

Durante os pensamentos no caminho entre Livramento e Porto Alegre, acabei refletindo muito sobre tudo que temos em nosso país e os lugares por onde passei na Argentina, Chile e Uruguai. Costumo a brincar dizendo que nessa viagem vi tantas coisas que a maioria das pessoas levaria uma vida toda para não ver.

O verde, amarelo, azul e branco da paisagem do Brasil.

Ao chegar a Canoas na Grande Porto Alegre, meu afilhado Paulo Henrique vem me receber no portão e em seguida todos vão aparecendo, demonstrando um ar de alívio de no final ter tudo dado certo. Não tenho dúvidas que esse jantar foi um dos momentos que jamais esquecerei também.

É muito difícil fazer uma conclusão de uma viagem com essas proporções geográficas  e emocionais. Resolvi finalizar essa escrita do relato em 2012 após três anos da viagem, percebendo que a cada foto ou anotação que volto a ver, com o passar dos anos vão ganhando significados diferentes e igualmente marcantes. Então prefiro concluir não de forma definitiva, mas pelo menos com algumas impressões que nesse momento me vem à mente.

Na parte técnica fico impressionado até hoje com meu primeiro planejamento e lista de equipamentos para a viagem, que teve pouquíssimas alterações nas listas das viagens seguintes. A primeira viagem foi muito intensa onde consegui ver muita coisa em todos os lugares que decidi passar, não hesitando em parar para contemplar e registrar em fotos ou vídeos. Não fiz muito turismo convencional, passeando pelas ruas e relaxando em alguns lugares, mas fui a lugares que muitos turistas acabam não indo. O passeio por terra e de moto torna-se muito mais intenso e diferenciado também.

Fiquei apenas com a sensação de querer voltar em alguns lugares e ter tempo de sentar na grama, ou as margens de lagos e mar, montar uma barraca e admirar sem pressa o sol nascer ou se pôr, contemplando tudo que a natureza oferece nos lugares tão incríveis por onde passei.

É sempre emocionante lembrar-se das pessoas que passaram por nós durante as viagens e sem nos darmos conta que nunca mais iremos revê-las, ficaram em nossas lembranças apenas suas imagens, apertos de mão ou palavras de incentivos.

Sobre viajar sozinho ou em grupo, avaliando resumidamente: Viajar sozinho é indescritivelmente mais intenso, viajar em grupo é mais seguro.

Viajando sozinho você interage mais com as pessoas dos locais por onde passa, não hesita em parar ou voltar alguns quilômetros para rever e registrar algo que lhe é atrativo. Porém pelo fato de estar sozinho, acaba sem poder exteriorizar todos os pensamentos e reflexões de um período tão longo em viagem solo, por isso o termo mais intenso, de um fator psicológico interessante.

Viajando em grupo seguimos mais relaxados sem ter que tomar decisões sozinhos, mas também tendo que dividir, impor ou ceder nas frequentes e diárias divergências que possam aparecer. Viajando em grupo também ficamos um pouco menos atentos às paisagens, observando pelo retrovisor ou à frente nossos companheiros para não perdemos de vista o grupo. Percebi que nos momentos de parada, acabamos não interagindo tanto com outras pessoas pelo fato de estarmos em grupo, porém nos momentos em que estamos fora da estrada, acabamos relaxando mais ao conversar com os amigos e deixando de ficar com a mente focada nos objetivos dos próximos dias de viagem por exemplo.  

Espero ter ajudado, inspirado ou ao menos divertido as pessoas que leram esse relato e agradeço a todos pela oportunidade de compartilhar esses momentos tão significativos vividos durante minha primeira grande viagem.

 

A guerreira que de vez em quando se recusava abrir a lente, mas que registrou todos os momentos dessa linda e intensa aventura.

Exposição projeto "FORTES Ventos" na UNESC - Universidade do Extremo Sul Catarinense

 

DESPESAS TOTAIS EM 2009: US$ 1.723,50

Combustível: US$ 670,00 em 20 dias rodando = Média diária US$ 33,50

Alimentação: US$ 429,00 em 26 dias de despesas = Média diária US$ 16,50

Hospedagem US$ 623,00 em 26 dias de despesas = Média diária US$ 24,00

MÉDIA DIÁRIA: US$ 66,30

Média diária calculada em 26 dias sem contar mais 7 dias hospedado na casa de amigos.

Não foram contabilizados os valores gastos

em passeios ou entradas em parques

 



+25

® Copyright Cristiano Forte 2003 - Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvido por Juliano Forte - Design - (51)9293-6789