Exercício - Janeiro / 2006

Neste mês acrescento alguns detalhes ao exercício do mês anterior, alterando a execução do cowbel e do pé esquerdo no chimbal(não deixe de olhar o exercício de dezembro de 2005).

Clique aqui para fazer download do mid do exercício

Exercício - Fevereiro / 2006

"Exercício para pedal duplo alternando as figuras do bumbo. Podemos também utilizar outras divisões rítmicas de chimbal ou conbinações de DIDDLES para levadas que incluem chimbal e caixa ou até mesmo o kit todo."

Clique aqui para fazer download do mid do exercício


Exercício - Março / 2006

"Inspirado na semana do carnaval, neste mês o exemplo é baseado em uma célula rítmica bem característica do efeito da mistura dos instrumentos tocados em um samba enredo e nas adaptações da percussão para a bateria, que também não deixa de ser percussão."

OBS.: O pentagrama superior é destinado apenas para a caixa.

Clique aqui para fazer download do mid do exercício


Exercício - Abril / 2006

"No mês de abril o enfoque será o pé esquerdo no chimbal. É um exercício já conhecido para alguns, mas que para os iniciantes na aplicação do pé esquerdo, pode servir como um estímulo para utilização deste recurso. No próximo mês a continuação deste tema poderá ser útil também para os bateristas mais experientes."

Clique aqui para fazer download do mid do exercício


Exercício - Maio / 2006

"Como havia comentado no mês anterior, o exercício deste mês também envolve a condução do pé esquerdo. Trata-se de uma levada de samba no primeiro compasso(com ritornelo), dobrando a intenção da mesma no segundo. Embora a intenção de bumbo modifique-se nos exercícios, a condução de chimbal e ride mantêm-se com a mesma sonoridade."

Clique aqui para fazer download do mid do exercício


Exercício - Julho / 2006

Mega-Lento
Teorias modernas de aprendizagem tem se infiltrado no ensino da bateria por uma geração ou mais. Em tempos passados evitados pela associação com a era da nova matemática e com o “não importa se você pode falar ou construir uma sentença - é a idéia que conta”, técnicas de ensino progressivas tem gradualmente vencido até mesmo tradicionalistas linha-dura. Dividindo grandes conceitos em pequenos, isolamento de partes/membros, e tempos de prática compartimentalizados são firmemente defendidos na tendência dominante no ensino do instrumento.

A técnica que me forço a usar e que consistentemente oferece o melhor resultado, e a qual provou dar mais benefícios, é o que muitos no MIT chamam de “Mega-Lento”. É baseado na teoria de que nossos cérebros fazem um caminho sináptico, ou impressões de tudo que fazemos (incluindo os movimentos físicos necessários para se tocar bateria) sem distinguir quando o fazemos “certo” ou quando fazemos “errado”. A melhor maneira de desenvolver uma habilidade motora repetitiva como um ritmo ou um exercício de coordenação é criar somente um caminho sináptico (o certo) porque você não poderá mais regravar a impressão certa sobre a errada. Você pode somente, através da repetição do certo, fazê-lo o dominante. E a melhor maneira de se evitar nunca produzir a “impressão” errada - e ironicamente a maneira mais rápida de se masterizar um exercício desafiador- é praticá-lo mega-lento (no início e até que você o domine).

Mas quão lento é o mega-lento?? É tão lento quanto for necessário pra você com absoluta certeza tocar completamente correto a primeira vez, cada vez e toda vez. Muitos bateristas mais novos resistem muitos a este método, pois vai contra a sua tendência natural de serem impacientes. Então, antes de se instigar a usar este método - o mega-lento, tente sentir o poder deste método, como ele na verdade irá ajudá-lo a avançar muito mais rápido. Tente imaginar uma peça num tempo que seria embaraçoso para qualquer um escutar - e então tocá-lo ainda mais lento. Isto previne e acaba com uma outra barreira que temos, o medo de parecermos ou soarmos estúpidos ou incompetentes. Faça tão lento, tão lento, que fique realmente ridículo. Esta é a idéia.

Se este método parece tedioso e anticonvencional, considere a outra alternativa. Tentar e errar, sucessos esporádicos e mais fracassos, e como conseqüência, muita frustração. Nada impede mais a motivação do que a crença de que masterizar mesmo os exercícios mais básicos da bateria é uma proposição de acertar-errar, resultando em uma caprichosa e inconvenientemente coordenação. Começando conscientemente lento, a proposição acertar-acertar é a chave do sucesso firme e sólido na sua cabeça e em suas mãos.

Texto de Rich Watson, “Takin ‘it slow” , do periódico para professores de bateria Drum Instroctors Only da Modern Drummer Publications, Vol.1, No.3, Outubro\97, pág.5.Tradução\Adaptação: Maurício Alves (OMB-SC 12849)

Exercício - Junho / 2006

"Mudando um pouco, nestê mês em vez de um exercício, segue uma dica de um ótimo site onde encontrarão diversos vídeos, músicas e biografias de grandes bateristas."

http://www.drummerworld.com/drummersolo.html


Exercício - Agosto / 2006

"Neste mês, coloco a disposição os midis dos sistemas contidos na primeira parte do excelente método "The New Breed" do baterista Gary Chester. No dowload, segue uma versão com som de caixa e outra com o som de piano, visando uma leitura mais definida com relação a durações das notas. Sugiro também, que faça primeiro os exercícios do método sem os mids, pois quando estamos em uma situação real de leitura, não haverão os mesmos para o acompanhamento e percepção de quando houver algum erro na execução."

Clique aqui para fazer download do arquivo


Exercício - Setembro / 2006

"Segue uma dica para facilitar a condução do prato no Jazz em andamentos mais rápidos. Trata-se de um ciclo de 3 compassos, onde a divisão não segue o padrão mais tradicional. À partir deste exemplo seria interessante, também experimentar outras variações, sendo que não necessariamente seguindo uma linha constante."

Clique aqui para fazer download do arquivo


Exercício - Outubro / 2006

"Nete mês a pedidos, segue um exercício muito simples, pois trata-se da famosa "viradinha massa". Esse exemplo tirei de uma folha de exercícios com o título: The Funck goes on, que ganhei do Daniel Lima, um dos meus professores de bateria. Segue mid nos andamentos 80 e 120."

Clique aqui para fazer download do arquivo


Exercício - Novembro / 2006

"Exercício utilizando variações de DIDDLES e associando o bumbo a mão direita. O mesmo torna-se muito interessante quando executado em andamentos mais rápidos e destacando o contraste das acentuações. O exemplo em aúdio será em 2 andamentos"

Clique aqui para fazer download do arquivo


Exercício - Dezembro / 2006


"Mais um dos exercícios inspiradores do baterista David Garibaldi."

Clique aqui para fazer download do arquivo


® Copyright Cristiano Forte 2003 - Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvido por Juliano Forte - Design - (51)9293-6789